CNI/Ibope: Resto de governo Dilma erá bom para 39%

A pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira, 27, que 39% dos entrevistados acreditam que o restante do governo Dilma Rousseff será ótimo ou bom. É uma elevação de quatro pontos porcentuais em relação à sondagem de julho. Outros 33% dos entrevistados consideram que o restante do governo será regular - uma subida de três pontos porcentuais em relação ao último levantamento.

RICARDO BRITO E DAIENE CARDOSO, Agência Estado

27 de setembro de 2013 | 12h10

A parcela daqueles que consideram que o restante do governo será ruim ou péssimo caiu oito pontos porcentuais no período, de 31% para 23%. O número dos que não souberam responder ou não quiseram opinar sobre essa questão permaneceu estável, em 5% dos pesquisados.

Combate à fome

A área em que o governo da presidente Dilma é melhor avaliado é a de combate à fome e à pobreza. Atualmente, 51% dos entrevistados aprovam as políticas e ações nessa área, contra 47% que desaprovam.

Por outro lado, a área de saúde, mesmo com o lançamento do programa Mais Médicos, é pior avaliada no governo Dilma, com 77% de desaprovação. Aqueles que aprovam a atuação do governo nesse quesito é de apenas 21%.

A atuação nas áreas de segurança pública e educação também tem sido desaprovada pela população. Ao todo, 74% desaprovam a atuação do governo na segurança pública, enquanto 24% aprovam. No caso da educação, 65% desaprovam e 33% aprovam.

Impostos e juros

A pesquisa CNI/Ibope apontou que 73% dos entrevistados desaprovam a política de impostos do governo Dilma Rousseff. Na sondagem anterior, em junho, 64% desaprovavam a política tributária do governo. Entre aqueles que desaprovam, o indicador caiu de 31% para 22%.

CNI/Ibope mostrou ainda que 71% dos entrevistados desaprovam a política de taxa de juros do governo. O resultado é 17 pontos porcentuais maior que o registrado pelo mesmo quesito no levantamento anterior, de junho. Na pesquisa atual, o porcentual dos que aprovam tal política caiu 16 pontos porcentuais, de 39% para 23%.

Desemprego

Pela primeira vez desde o início do atual governo Dilma, o número de entrevistados que desaprovam a política de combate ao desemprego superou aqueles que aprovavam. A sondagem registrou que 57% dos entrevistados desaprovam a política de combate ao desemprego do governo.

Na sondagem anterior, em junho, 45% desaprovavam tal política. Os porcentuais que aprovam somam agora 39%, sendo que em junho eles totalizavam 52%.

Inflação

Aumentou em 11 pontos porcentuais o número de entrevistados que desaprovam a política do governo Dilma de combate à inflação. O indicador agora é de 68%, enquanto em junho era de 57%. A sondagem mostrou que aqueles que aprovam a política de combate à inflação são atualmente 27%. Em junho, era de 38%.

O levantamento foi realizado entre os dias 14 e 17 de setembro, com 2.002 pessoas entrevistadas em 142 municípios. A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIIbope

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.