CNI/Ibope: Prisões do mensalão e protestos foram as mais lembradas

Outros assuntos citados foram espionagem, leilãop de Libra, Mais Médicos e cartel no metrô

Ricardo Brito e Ricardo Della Coletta , O Estado de S. Paulo

13 Dezembro 2013 | 12h50

Brasília - Pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira, 13, revelou que as manifestações de rua no Brasil e as ordens de prisão dadas pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, aos condenados no processo do mensalão foram as notícias mais lembradas pela população, com 13% de menções cada uma.

As lembranças a notícias de espionagem da presidente Dilma Rousseff pelos norte-americanos e aquelas referentes ao leilão do Campo de Libra foram mencionadas, cada uma, por 5% dos entrevistados. Com 4%, foi citada a sanção da lei que cria o programa Mais Médicos.

As citações ao escândalo do cartel em licitações de trens e metrôs em São Paulo, que atinge políticos do PSDB, receberam apenas 1% das lembranças. Esse é o mesmo porcentual de menções ao déficit das contas públicas ou ao aumento da taxa básica de juros da economia, a Selic.

O gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, afirmou que, ao contrário de levantamentos anteriores, as notícias econômicas não chamaram a atenção da população nos últimos três meses. Ele também destacou que as notícias relativas ao mensalão não afetaram o governo Dilma. "É uma coisa do governo anterior", disse.

Segundo Fonseca, as políticas sociais de Dilma têm aparecido mais. "Os fatos positivos para o governo apareceram mais do que os negativos", frisou.

A pesquisa foi feita entre 23 de novembro e 2 de dezembro, com 15.414 pessoas com mais de 16 anos de idade, em 727 municípios. A margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Mais conteúdo sobre:
CNI/Ibope pesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.