CNI/Ibope: Guerra atribui resultado de Lula a propaganda

O crescimento da economia não é o único responsável pelos altos índices de popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apontados pela pesquisa CNI/Ibope, divulgada hoje, na avaliação de políticos de oposição. O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), afirma que outros fatores devem ser considerados, como a capacidade de comunicação de Lula, respaldada por um forte esquema de propaganda política, e a falta de ajuste e organização da própria oposição.O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), entende que, além dos ventos favoráveis da economia, Lula não saiu do palanque. "Ele está inaugurando obra que não existe e gerando muita expectativa no palanque", analisou. Para o líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), a popularidade alta de Lula "não é julgamento definitivo, mas retrato do momento e produto de circunstâncias".O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), um opositor ácido do governo, disse que Lula se aproveita da melhoria na economia, que reflete diretamente no sucesso do Executivo, e usa sua força para imobilizar os poderes Legislativo e Judiciário. "O Congresso está subordinado, de cócoras. E o presidente não leva em conta o Judiciário, que está acuado", afirmou, ao pedir ao PSDB e DEM que acionem Lula na Justiça. "Lula está usando o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) como palanque eleitoral e levando tudo na gozação e ironia. E não pode usar o dinheiro público para chegar aos Estados e tratar a opinião pública como imbecil", observou. Ele lembrou que, em 1974, o ex-presidente Médici chegou a 84% de aprovação. "E deu no que deu", completou.Para os tucanos, o governo Lula apenas consolidou na economia um processo que já estava em curso o que mudou o padrão de vida das pessoas. "Mas o problema de legitimidade na base do governo é profundo", afirmou Sérgio Guerra. Para o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), apesar de ajudado pela economia, o governo de Lula não conseguiu combater a dengue e a febre amarela. "A economia melhorou, mas não vejo reflexos positivos na segurança pública e educação, só vejo o presidente em campanha com dinheiro público", completou.Antes mesmo da divulgação dos números da CNI/Ibope, as cúpulas do PSDB e DEM já estavam decididas a fazer um encontro, com a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, para discutir rumos. Antes disso, na próxima segunda-feira, haverá uma reunião entre os principais líderes de oposição para uma avaliação. A maioria reconhece que é hora de "menos grito e mais inteligência". O que mais incomoda a oposição é o uso eleitoral do PAC. "Lula é um infrator e não tem nenhum compromisso com a moralidade pública e nem com a verdade", concluiu o líder do PSDB, deputado José Aníbal (SP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.