André Dusek/AE
André Dusek/AE

CNI/Ibope: Campos tem a melhor avaliação nos Estados; Cabral, a pior

Eduardo Campos (PSB) teve gestão avaliada como ótima ou boa por 58% da população de Pernambuco; já Sérgio Cabral Filho (PMDB) obteve apenas 12%

atualizado às 17h35 - Ricardo Brito, Daiene Cardoso e Laís Alegretti, O Estado de S. Paulo

25 de julho de 2013 | 14h53

Brasília - A pesquisa CNI/Ibope divulgada na tarde desta quinta-feira, 25, apontou o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, como o mais bem avaliado entre os 11 Estados da sondagem. Campos, que articula uma possível candidatura à Presidência da República, teve gestão avaliada como ótima ou boa por 58% da população do Estado.

Em segundo lugar, com 41% de avaliação ótima ou boa, aparece o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), seguido pelo cearense Cid Gomes (PSB), com 40%, e, em seguida, o mineiro Antonio Anastasia (PSDB), com 36%.

O levantamento apontou que o governador pior avaliado do país foi Sérgio Cabral (PMDB), do Rio de Janeiro. Alvo de constantes protestos nas proximidades de sua casa e no momento em que o estado recebe a visita do Papa Francisco, Cabral obteve apenas 12% de avaliação ótima ou boa dos entrevistados. Cabral ficou abaixo da média nacional, de 28%.

O segundo mais mal avaliado foi o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), com 21%, seguido pelo gaúcho Tarso Genro (PT), com 25%, e pelo paulista Geraldo Alckmin (PSDB), com 26%.

Finanças. O governo Cabral também foi criticado com relação à utilização dos recursos públicos. 60% dos entrevistados no Rio consideraram que o Estado dispõe de dinheiro suficiente para prover os serviços públicos contra 35% daqueles que consideram necessária a ajuda federal. A média nacional dos pesquisados é que 42% consideram que seu respectivo estado tem verba suficiente e outros 51% acreditam ser necessário um apoio do governo federal.

Para 87% dos entrevistados, o governador fluminense e seus secretários utilizam mal ou muito mal os recursos públicos. Mais uma vez recordista, Cabral fica a 13 pontos percentuais acima da média nacional.

A pesquisa da CNI foi feita entre 9 e 12 de julho, com 7.686 pessoas com mais de 16 anos de idade, em 434 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Mais conteúdo sobre:
CNIIbopeEduardo Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.