CNI/Ibope: Cabral tem pior avaliação entre governadores

Alvo de constantes protestos nas proximidades de sua casa e no momento em que o Estado recebe a visita do Papa Francisco, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), é o chefe de Executivo estadual tem a pior avaliação em todas as perguntas feitas na pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira pela entidade. Último entre 11 estados avaliados, somente 12% dos entrevistados consideraram o governo estadual ótimo ou bom.

RICARDO BRITO E DAIENE CARDOSO, Agência Estado

25 de julho de 2013 | 17h29

Na sondagem, Cabral recebeu a pior nota entre todos os estados avaliados e os poderes públicos. Ele tirou dois, numa escala de zero a 10, embora a nota média nacional tenha sido 3,6. A título de comparação, a presidente Dilma Rousseff tirou nota em nível nacional duas vezes maior que ele, quatro, e, fazendo um recorte apenas no Rio de Janeiro, 2,7.

Finanças

Ao todo, também campeão do indicador, 60% dos entrevistados no Rio consideraram que o Estado dispõe de dinheiro suficiente para prover os serviços públicos contra 35% daqueles que consideram necessária a ajuda federal. A média nacional dos pesquisados é que 42% consideram que seu respectivo estado tem verba suficiente e outros 51% acreditam ser necessário um apoio do governo federal.

Para 87% dos entrevistados, o governador fluminense e seus secretários utilizam mal ou muito mal os recursos públicos. Mais uma vez recordista, Cabral fica a 13 pontos percentuais acima da média nacional.

O gerente-executivo da pesquisa CNI, Renato Fonseca, afirmou que não dá para saber se Cabral vai se recuperar. Ele não quis opinar se a visita do papa, que está de passagem pelo Estado participando da Jornada Mundial da Juventude, poderá ter um reflexo positivo nas avaliações futuras do governador. "Não sabemos se a visita do papa pode contrabalançar os indicadores negativos", disse. A CNI informou que a pesquisa foi feita entre 9 e 12 de julho.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIIbopeSérgio Cabral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.