CNI presta solidariedade a Bezerra

Os 27 presidentes de federações estaduais de indústria do País anunciaram, na sede da CNI (Confederação Nacional da Indústria), solidariedade ao senador Fernando Bezerra, que se demitiu do cargo de ministro da Integração Nacional ao ser acusado de ter-se beneficiado irregularmente de verbas públicas. A maioria dos empresários presentes ao encontro afirmou que, ao contrário do que entende a Comissão de Ética Pública (CEP), nada impede que Bezerra reassuma imediatamente a Presidência da CNI, cargo do qual estava licenciado enquanto ministro da Integração. Para a Comissão de Ética Pública, Bezerra é obrigado a cumprir, antes de reassumir a Presidência da confederação, uma quarentena de quatro meses, em cumprimento ao artigo 15 do Código de Conduta da Alta Administração Federal. O atual presidente da CNI, deputado Carlos Eduardo Moreira Ferreira (PFL-SP), entende que Bezerra tem o direito de reassumir, por não ser a CNI uma empresa e sim uma associação sindical, para cuja presidência ele foi eleito pelo voto.Outra alegação de Moreira Ferreira a favor do imediato retorno de Bezerra ao comando da CNI é o fato de que a confederação "emprestou Bezerra ao governo para que assumisse o Ministério". "No momento em que o governo pediu, ele não se esquivou ao desafio", disse Moreira Ferreira. Acrescentou que as normas do Código de Conduta da Alta Administração Federal "não são uma lei, e sim um código de ética".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.