CNBB saúda Dilma e pede cumprimento de promessas

Após polêmica do aborto, bispos pedem que eleitos 'não se percam nos caminhos do poder'.

BBC Brasil, BBC

01 de novembro de 2010 | 16h27

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu nesta segunda-feira um comunicado saudando os vitoriosos nas eleições - com menção especial à presidente eleita, Dilma Rousseff (PT) - e pedindo "fidelidade no cumprimento das promessas apresentadas durante a campanha".

"Passadas as eleições, o compromisso de todos é unir os esforços na construção de um Brasil com paz, justiça social e vida plena para todos", diz o comunicado.

"Cabe, agora, a todos nós, brasileiros e brasileiras, a irrenunciável tarefa de acompanhar os eleitos no exercício de seu mandato, a fim de que não se percam nos caminhos do poder de que foram revestidos", afirma a CNBB.

A nota é assinada pelo presidente da CNBB e arcebispo de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, pelo vice-presidente e arcebispo de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, e pelo secretário-geral e bispo auxiliar do Rio de Janeiro, Dom Dimas Lara Barbosa.

Durante a campanha, um panfleto assinado por bispos da Regional Sul 1 da CNBB - que representa as dioceses do Estado de São Paulo - relacionava Dilma à defesa da descriminalização do aborto, um dos temas mais debatidos durante a eleição.

O documento pedia que os eleitores votassem em políticos contrários a essa proposta. Posteriormente, os bispos que assinavam o panfleto divulgaram nota negando que estivessem indicando ou vetando candidatos.

Em meio à polêmica, Dilma chegou a divulgar um comunicado onde se declarava "pessoalmente contra o aborto" e se comprometia a não propor "alterações de pontos que tratem da legislação do aborto e de outros temas concernentes à família".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
eleicoesdilma rousseffcnbbaborto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.