CNBB faz plebiscito por "justiça" na Alca

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Jayme Chemello, anunciou que a entidade e organizações não-governamentais realizarão um plebiscito entre os dias 1º e 7 de setembro, em todo o País, questionando a sociedade sobre a Área de Livre Comércio das Américas (Alca). O resultado final do plebiscito será divulgado em Brasília, no próximo dia 17. Dom Jayme disse que a preocupação da Igreja é garantir que os Países pobres que deverão integrar a Alca não sejam prejudicados com as regras que serão estabelecidas a partir da formação do bloco econômico. "A preocupação é que haja justiça. Nós não somos contra a Alca. Não queremos é ser asfixiados pelos Estados Unidos. A preocupação é que a situação não fique pior do que está", disse dom Jayme. Ele evitou comentar diretamente o recuo do PT em relação ao apoio ao plebiscito, mas disse que o "povo julgará depois todos os atos". "Nós estamos do lado dos empobrecidos. Não podemos esquecer que no Brasil há 12 milhões de pessoas passando fome", completou o vice-presidente da CNBB, dom Marcelo Carvalheira. Nos últimos dias, 28 bispos se reuniram em Brasília, na Comissão Episcopal de Pastoral. Além da Alca, outro tema debatido pela CNBB foram as eleições. O presidente da CNBB condenou o tom agressivo que tem dominado os discursos de alguns candidatos à Presidência da República. "Não é caminho, ficar se atacando. O povo quer saber sobre o programa de governo que cada um tem", afirmou. Dom Jayme elogiou a "reconciliação" entre alguns políticos que antes eram adversários. Questionado sobre a aliança entre o candidato da coligação PT-PL, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ex-presidente José Sarney, o bispo lembrou que uma das preocupações dos políticos é como governar sem ter apoio. "Reconciliação é uma coisa boa. Claro que a gente não deve se entregar, mas deve buscar um esforço pela unidade deste País". Dom Jayme afirmou ainda que os religiosos deverão marcar um encontro com o presidente Fernando Henrique Cardoso para tratar de diversos temas, mas a data ainda não foi definida. O vice-presidente da CNBB elogiou a iniciativa de Fernando Henrique de convidar todos os candidatos à Presidência para conversar no Palácio do Planalto. "Ele demonstrou estar preocupado com o bem do País. Não houve interesse pessoal", disse Carvalheira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.