CNBB diz que Lula não usa o nome de Deus em vão

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Geraldo Magela, disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não está usando o nome de Deus em vão em seus discursos à favor das mudanças no País. Ele afirmou, porém, que a CNBB entende que o governo precisa apressar a definição dos projetos sociais. "Estamos pedindo urgência, porque a miséria e a fome não podem aumentar", disse ele, após encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto.Na terça-feira, Lula afirmou numa solenidade na Confederação Nacional da Indústria (CNI) que "só Deus será capaz de impedir que a gente faça este País ocupar um lugar de destaque". O presidente, na avaliação de d. Geraldo Magela, não se comportou nesse episódio como um messias. "Se ele está solidário com os que mais sofrem e buscando alguma coisa a favor destes, pode pedir a ajuda de Deus para iluminá-lo", afirmou. "Só Deus pode impedir as reformas quando estas não estão nos seus planos", afimrou. O cardeal, no entanto, riu quando advertido que o Poder Legislativo também pode, constitucionalmente, impedir os projetos do Executivo. Segundo d. Geraldo, Lula disse que "está procurando" apressar os programas sociais. O presidente teria feito comentários sobre os programas Fome Zero e o Primeiro Emprego, ainda a ser lançado. O cardeal-arcebispo de Mariana (MG), d. Luciano Mendes de Almeida, relatou que o presidente afirmou que o governo, nas reformas previdenciária e tributária, vai respeitar todos os direitos adquiridos, sem atropelas os partidos políticos e as instituições democráticas. "É preciso levar à frente as reformas com paciência e dicernimento, para atender às expectativas do povo brasileiro, respeitando naturalmente os direitos de cada um", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.