CNBB debate escândalos sexuais envolvendo padres

As denúncias de escândalo sexual em meio ao clero ocuparam boa parte dos debates da manhã de hoje na 40ª Assembléia Geral da Conferência Nacional do Bispos do Brasil (CNBB), no mosteiro de Itaici, município de Indaiatuba. No debate sobre a formação do padre, o episcopado refletiu sobre a realidade e as conseqüências de "desvios" do comportamento sexual do clero, especialmente as denúncias sobre pedofilia.O bispo de Blumenau (SC), Dom Angélico Sandalo Bernardino, responsável pelo setor do ministério sacerdotal na CNBB, disse em plenário que há ?luzes e sombras? no clero brasileiro, e que ?as luzes são numerosas e mais fulgurantes do que as sombras?, pois o padre presta grandes serviços não só à igreja, mas à Pátria, em universidades, hospitais e comunidades.No caso de denúncias de abuso sexual, Dom Angélico disse que doem principalmente as denúncias de pedofilia, pelo que esse crime significa para qualquer cidadão. Dom Angélico propôs para a Assembléia dos dois próximos anos que os bispos dediquem um dia para reflexão e estudo sobre a formação do padre e que, além disso, na assembléia de 2005, a formação do padre seja tema central dos debates.O cardeal Dom Geraldo Majella Agnelo, arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, disse que esse quadro de denúncias é muito triste para a Igreja e que não se justifica pela alegação de que o problema de abuso sexual e, principalmente, o de pedofilia, existe também em outros segmentos da população. A saída, segundo o cardeal, seria investir mais na formação intelectual, moral e afetiva dos candidatos ao sacerdócio e na formação permanente do clero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.