CNBB comenta aprovação da emenda sobre o divórcio imediato

Para o arcebispo da Paraíba, dom Aldo di Cillo Pagotto, a instituição familiar fragiliza-se ainda mais

estadão.com.br

13 Julho 2010 | 15h18

No dia 6 de janeiro, um mês após a PEC do divórcio ser aprovada no Senado, o arcebispo da Paraíba, dom Aldo di Cillo Pagotto, escreveu um texto para comentar a decisão, sob a ótica da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Leia abaixo a íntegra do artigo:

"Há um mês, os senadores aprovaram de forma sumária, por 54 votos (22 ausências, 3 contra, 2 abstenções), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 28/2009) favorecendo o divórcio imediato, sem burocracia. Elimina-se qualquer requisito constitucional que se lhe oponha. A medida banaliza a união conjugal, facilitando de imediato a sua dissolução. A instituição familiar, já combalida, fragiliza-se ainda mais.

A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) evoca o artigo 226, § 6º da Constituição: “o casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio, após prévia separação judicial por mais de um ano, nos casos expressos em lei, ou comprovada separação de fato por mais de dois anos”. A PEC suprime o presente artigo e outros parágrafos que eventualmente ofereçam proteção à Família desde a sua fundação até a sua dissolução.

Tempestivamente, um cônjuge poderá pedir separação imediata. Se o legislador anuir, despacha-se o pedido numa meia hora. Deveriam ser levadas em conta questões delicadas sobre a vida conjugal, de foro íntimo. Separação é profundamente traumatizante. Caso inevitável, antes de consumada, o casal deve ser acompanhado. Isso comporta um processo de discernimento consciente, maduro, responsável.

O sentido da vida banaliza-se. A vida familiar se desfaz, de fato, por medidas como estas, destruindo seus valores perenes. A instituição familiar é substituída pelos relacionamentos fortuitos, feitos para não durar. Pessoas são usadas e substituídas como peças descartáveis. Como ficam os filhos? Será que não se sentirão inseguros, obrigados a se virar por aí? Pensão alimentícia ou visitinhas de faz de conta substituem a presença e o calor humano de um pai? Muitos filhos crescem problemáticos. A origem reside na ausência da Família. Pergunte se isso é ou não verdade a um formador numa boa escola. Pergunte o mesmo a um traficante.

A mudança de época pós-moderna prescinde dos princípios e valores éticos. Negam-se as cláusulas pétreas de proteção à vida e à família. Hoje está na moda confundir, propositadamente, direito humano com direito de um indivíduo, cheio de vícios e arbitrariedades pessoais. Prevalece o direito individualista sobre os deveres do cidadão.

Direitos individualistas se sobrepõem aos direitos e ao bem da vida familiar, ao bem público. O Estado vai deixando de oferecer proteção à vida e à família. Nessa lógica entende-se que, no lugar de políticas públicas estruturais, o Estado bota políticas de compensação, como bolsa família e outras medidas eleitoreiras.

Casamento, anteriormente garantido por contrato e compromisso vital em relação ao cônjuge e aos filhos, dilui-se em direitos individualistas. Casamento importa em contrato, em obrigações legais. Não é opção por tempo indeterminado! Casamento não é loteria, diversão das quais, depois que me enjoo, chuto o pau da barraca."

Mais conteúdo sobre:
CNBB divórcio dom Aldo di Cillo Pagotto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.