Clube Piratininga celebra a Revolução de 32

Fundado para manter os ideais da Revolução Constitucionalistade 1932, o Clube Piratininga, localizado no bairro de Santa Cecília(zona central de São Paulo), prestou sua homenagem aos movimento paulista na noite desta sexta-feira. Na cerimônia, um vídeo foi exibido para lembrar ostrês meses de luta. O presidente do conselho deliberativo do clube, Sebastião de Almeida Prado Sampaio, tinha cerca de 12 anos na época da Revolução, mas lembra com orgulho da mobilização- seu pai e seu irmão combateram em Cunha. ?Os paulistas foram derrotados na luta, mas foram vitoriosos nos seusideais?, conta.O médico Evandro Pimenta de Campos, de 92 anos, era um dosmanifestantes do dia 23 de maio quando um tiroteio na Praça daRepública matou os estudantes Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo, cujas letras iniciais dos nomes tornaram-se um dos símbolos do movimento: MMDC. ?Eu e meu irmão nos escondemos atrás das árvores e tivemos sorte de não sermos atingidos pelos tiros.?Segundo Eurico Pacheco do Amaral, de 80 anos, as crianças não ficaram alheias aos acontecimentos, ?Andávamos pelas ruas com uma faixa em que estava escrito ?Se for preciso, nós iremos também.? Amaral se emocionou com a execução da marcha ?Paris Belfort?, hino da luta contra a ditadura getulista. ?Ao ouvir essa música, a gente viaja no tempo e revive tudo o que aconteceu.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.