FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Clube Militar convoca sócios para atos pró-Bolsonaro

Entidade reúne cerca de 38 mil sócios, entre oficiais da ativa, da reserva de primeira classe e reformados das Forças Armadas

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2019 | 23h33

RIO - O Clube Militar, entidade que reúne oficiais do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, convocou seus sócios para participarem das manifestações no próximo domingo, 26, em defesa do presidente Jair Bolsonaro.

Em texto postado no site da entidade na noite desta segunda-feira, 20, o clube afirma que "tradicionalmente preocupado com os assuntos atinentes ao desenvolvimento da nação brasileira", a entidade "vem convocar seu quadro social e convidados a participarem das manifestações a serem levadas a efeito em todo o território nacional, apoiando o governo federal na implementação das reformas necessárias à governabilidade. Participe em sua cidade!", conclui o texto, que tem como título a frase "Brasil acima de tudo", parte do slogan de campanha de Bolsonaro.

Um núcleo de fiéis apoiadores também usa as redes sociais para pedir adesão popular às manifestações.

Embora o texto só forneça informações sobre a manifestação prevista para o Rio, cuja concentração deve ocorrer em Copacabana, a partir das 10h, a convocação é para que os sócios que morem em outras cidades também participem das manifestações.

Fundado em 19887 e sediado no Rio, o Clube Militar tem, em todo o Brasil, cerca de 38 mil sócios, entre oficiais da ativa, da reserva de primeira classe e reformados das Forças Armadas, além de aspirantes a oficial do Exército e da Aeronáutica e guardas-marinhas.

Capitão reformado do Exército, Bolsonaro se elegeu com apoio dos militares e levou ao governo vários integrantes da classe. A ala "ideológica" liderada por Olavo de Carvalho, no entanto, faz intensas críticas aos militares.

Mais conteúdo sobre:
Clube MilitarJair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.