Clima de feriadão pode esvaziar eleições em Goiânia

Escolas juntaram o feriado do Servidor Público e do Dia de Finados e ruas estão vazias desde sexta-feira (27) em Goiânia e Anápolis

Rubens Santos, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2016 | 08h56

Goiânia - Apesar da agitação dos bastidores políticos, as ruas de Goiânia e de Anápolis, as duas cidades onde ocorrem as disputas em 2º turno no estado de Goiás, amanheceram esvaziadas.

É que a maioria das escolas adiou o retorno às aulas para a próxima quinta-feira (03) devido ao feriado do Servidor Público, na última sexta-feira, e proximidade com o Dia de Finados, na 4ª feira. O que tornou o fim de semana um feriadão de até cinco dias. 

Agora, além da redução do número de eleitores há o risco de crescimento dos votos brancos, e dos números da abstenção. 

Os comitês dos candidatos Iris Rezende (PMDB) e Vanderlan Cardoso (PSB), que disputam a Prefeitura de Goiânia, e dos candidatos Roberto do Órion (PTB) e João Gomes (PT), em Anápolis evitaram comentar.

Andamento das elições. Apenas 12 urnas apresentaram defeitos, até o momento, em Goiânia e Anápolis. De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em Goiânia foram 10 urnas com problemas e 02 em Anápolis.

O chefe de Sistemas Eleitorais do TRE de Goiás afirmou que até as 19h30 todos os votos já estarão apurados nas 2.747 urnas de Goiânia e nas 739 urnas de Anápolis.

Eleições sem sujeira. O compromisso dos candidatos a Prefeitura de Goiânia, Iris Rezende (PMDB) e Vanderlan Cardoso (PSB), de não jogar “santinhos” nas ruas vizinhas ou frontais aos colégios eleitorais, está sendo cumprido. E o dia amanheceu sem sujeiras nas ruas.

No primeiro turno, as cidades de Goiás foram inundadas por 70 toneladas de ‘santinhos’, de acordo com levantamento da Prefeitura de Goiânia, lançados nas ruas e calçadas.

Boa parte do resultado atual deve-se a compromisso junto ao Ministério Público (MPGO) dos candidatos Iris Rezende (PMDB) e Vanderlan Cardoso (PSB) de “não jogar santinhos nas ruas”. Sob pena de responder à justiça por crime eleitoral, penas de prisão que variam de seis meses a um ano, e multa de R$ 15.600,00.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.