Cláudio Fontelles será o novo procurador-geral da República

O ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, anunciou, ao deixar o Palácio da Alvorada, onde se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que o novo procurador-geral da República será Cláudio Fontelles, subprocurador da República, que dá pareceres no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça. Fontelles não é considerado conservador e sempre se identificou com a oposição, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Em 2001, quando terminou o primeiro mandato do então procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, Fontelles foi o segundo mais cotado para o cargo, em pesquisa na Associação Nacional dos Procuradores. O primeiro colocado naquela pesquisa foi o subprocurador Antônio Fernando.DivergênciaLula da Silva Fontelles numa lista de quatro nomes apresentada pelo ministro da Justiça. Além de Fontelles, constavam da lista os subprocuradores Ella Castilho, Wagner Gonçalves e Antônio Fernando. Thomaz Bastos negou que tenha havido divergências entre ele e o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, em decorrência dos nomes para o cargo. "Se tivemos outra briga? Não. Trabalhamos juntos. A escolha foi do presidente", afirmou Bastos. Antônio Fernando Barros e Silva de Souza, contava com a simpatia do ministro da Justiça e de vários integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Ministério Público Federal e do Supremo Tribunal Federal (STF), órgão perante o qual o procurador-geral propõe ações.José Dirceu chegou a defender a permanência de Brindeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.