ANDRÉ DUSEK / ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK / ESTADÃO
Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Classe média e obras médias

Temer prepara medidas para 'desafogar' a classe média

Vera Magalhães, O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2017 | 03h00

Depois do sucesso da liberação do saldo das contas inativas do FGTS, uma rara medida anunciada pelo presidente Michel Temer considerada positiva em pesquisas de opinião em poder do governo e do PMDB, vem aí mais uma série de medidas voltadas para “desafogar” a classe média enquanto a recuperação de fato da economia não vem.

Além da ampliação da renda que poderá ser atendida pelo Minha Casa Minha Vida, que será detalhada hoje por Temer, o governo prepara o anúncio de um alongamento das dívidas de quem contraiu empréstimo consignado e não está conseguindo pagar. Devem ser beneficiados não só aqueles que perderam o emprego, e o pacote valerá para bancos públicos e privados.

A avaliação da equipe econômica e da cozinha política do governo é de que, no tempo que resta ao peemedebista, não será possível entregar uma retomada da atividade econômica e do emprego significativas, nem obras e concessões de relevo. A conta é que resta pouco mais de um ano para Temer definir seu legado, porque a partir de abril o calendário eleitoral engolfará o governo. Até lá, tem de aprovar as reformas, que vão cobrar um preço em desgaste e popularidade. E sobreviver aos solavancos da Lava Jato.

Então, a ordem é apostar no micro, em todas as frentes. Assim como nas medidas para a classe média, na infraestrutura o governo vai reembalar pequenas concessões de rodovias e serviços que não necessitam de vultosos investimentos – uma vez que as grandes empreiteiras estão fora de combate pós-petrolão.

SUPREMO

Escolha de relator da Lava Jato amplia as chances de Moraes

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, voltou a ter chances de ser indicado para a cadeira de Teori Zavascki no STF. O fato de a relatoria da Lava Jato e a vaga na turma que trata do caso já terem sido preenchidas tira os principais obstáculos à escolha do auxiliar de Temer – que submergiu e parou de criar polêmicas diárias. 

VACINA

Governo faz “triagem” de menções nas delações da Odebrecht

À espera de um terremoto a partir da revelação do conteúdo completo das delações da Odebrecht, o governo se dedica a contar as citações a Temer e seus auxiliares. Por essa métrica, dizem que há um só episódio concreto envolvendo o presidente (o do jantar com Marcelo Odebrecht em 2014), e as 43 menções são apenas a repetição de seu nome.

DELAÇÕES

Congresso pode estabelecer limite para colaborações

Entre as ideias em gestação no Congresso para mudar a delação premiada, está uma que impede chefes de organizações criminosas de se beneficiar do instituto. Pelo critério, Marcelo Odebrecht, Sérgio Cabral e outros teriam de cumprir pena integral na Lava Jato.

SEGURANÇA

Inscritos para atuar nas fronteiras passam de 8 mil

O governo já recebeu mais de 8 mil inscrições de paraquedistas, fuzileiros e policiais militares inativos para atuar na força temporária que fará o monitoramento das fronteiras a partir de março.

FOI MAL

Licitação para publicidade da Petrobrás contraria governo

O governo ficou contrariado pelo fato de a Petrobrás ter lançado em dezembro o edital para a maior conta de publicidade do setor público. Num mês fraco, só apareceram 16 agências concorrentes. O certame do Ministério da Saúde, mais modesto, teve 35 inscritos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.