Civita era defensor da liberdade de imprensa, diz ANJ

Associação Nacional de Jornais destaca contribuição do empresário para o País; presidente do conselho de administração do Grupo Abril morreu aos 76 anos

O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2013 | 13h20

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) destacou a contribuição do empresário Roberto Civita para a imprensa brasileira. O diretor editorial e presidente do conselho de administração do Grupo Abril, morreu neste domingo, 26, aos 76 anos.

 

Em nota, o presidente da associação, Carlos Fernando Lindenberg Neto, definiu Civita como um "defensor intransigente da livre iniciativa e da liberdade de imprensa". Abaixo, íntegra do texto:

 

"A Associação Nacional de Jornais (ANJ) expressa profundo pesar à família de Roberto Civita e ao Grupo Abril pelo falecimento deste que foi um dos grandes empresários de comunicação do país.

 

Defensor intransigente da livre iniciativa e da liberdade de imprensa, Roberto Civita era uma voz coerente em favor dos valores da democracia e de um Brasil moderno e próspero, inserido no mercado global.

 

Foi decisivo na construção e consolidação do Grupo Abril, referência exemplar no mercado de comunicação brasileiro, com destaque para o excepcional padrão de profissionalismo de suas revistas.

 

Roberto Civita foi essencialmente um editor, como ele mesmo gostava de se classificar. Com seu falecimento o Brasil perde um editor fundamental para a formação do País que somos hoje."

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Civita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.