Citado no mensalão, presidente do PSDB no DF se licencia

Márcio Machado seria o autor do documento com 41 empresas abordadas para ajudar a campanha de Arruda

Leandro Colon, de O Estado de S.Paulo,

04 de dezembro de 2009 | 20h29

A revelação da existência de uma planilha de caixa 2 da campanha do governador José Roberto Arruda (DEM) em 2006 derrubou nesta sexta-feira, 4, o presidente do PSDB-DF, Márcio Machado. Ele foi o autor do documento com o nome de 41 empresas que foram abordadas para ajudar, de maneira ilícita, a campanha de Arruda. O documento contém o nome das empresas e, ao lado, valores que somam R$ 11 milhões. Junto com o nome de várias das empresas há valores e a sigla "PG".

 

Veja também:

linkPlanilha cita 41 empresas e caixa 2 de R$ 11 mi na campanha de Arruda

linkCâmara do DF acata dois pedidos de impeachment de Arruda

blog  JOÃO BOSCO: OAB considera Arruda e Paulo Octávio cúmplices

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Inquérito da Operação Caixa de Pandora

Pressionado pela cúpula do partido com a divulgação do documento comprometedor, Machado pediu licença de 90 dias do cargo de presidente regional do diretório tucano, mas dificilmente deverá reassumir. Segundo a assessoria do PSDB, ele deve ser chamado a dar explicações na semana que vem e pode sofrer um processo disciplinar por causa da prática de caixa 2.

Após a campanha, Arruda nomeou Márcio Machado seu secretário de Obras. Por causa do escândalo do "mensalão do DEM", o PSDB exigiu que ele deixasse o governo na terça-feira, 1º. Segundo Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do governo e colaborador da Polícia Federal nas investigações, Machado era um dos "captadores" do caixa 2 da campanha de 2006.

Por meio de seu advogado, Antônio Carlos de Almeida Castro, o tucano deu a versão de que esse manuscrito serviu apenas para projetar os pedidos de doações para a campanha de Arruda, mas não soube explicar, por exemplo, o que significa a expressão "PG" ao lado de 12 empresas, indicando que os recursos foram repassados.

Além das empresas e dos valores, a planilha traz uma coluna com dois saldos, um em dólar (US$ 342.900) e outro em real (R$ 243.500), além de duas listas de receitas e despesas, somando, juntas, R$ 2,2 milhões.

Cerca de 20 construtoras são citadas no documento, entre elas algumas que fecharam contratos com o governo de Arruda desde 2007. O manuscrito de Márcio Machado cita ainda pagamentos que teriam sido feitos a políticos. Aparecem os nomes de Fábio Simão, ex-chefe de gabinete de Arruda, e a sigla P.O, geralmente usada para mencionar o vice-governador, Paulo Octávio (DEM).

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaoDFPSDBafastamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.