Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Citado na Lava Jato, Temer diz não conhecer delatores

Vice-presidente afirmou, em nota, que não conhece Fernando Baiano e Júlio Camargo; depoimento de Camargo aponta Baiano como 'representante' do PMDB em esquema de corrupção

Victor Martins e Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

22 Agosto 2015 | 13h46

O vice-presidente Michel Temer divulgou uma nota neste sábado, 22, dizendo não conhecer dois dos delatores da operação Lava-Jato: Fernando Baiano e Júlio Camargo. O comunicado de Temer foi uma resposta ao depoimento de Camargo, informações que foram tornadas públicas recentemente. 

Segundo Camargo, o lobista Fernando Soares era conhecido por representar o PMDB, o que incluiria, além de Cunha, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o vice-presidente da República Michel Temer.

"Havia comentários de que Fernando Soares era representante do PMDB, principalmente de Renan, Eduardo Cunha e Michel Temer. E que tinha contato com essas pessoas de 'irmandade'", consta em relatório dos investigadores sobre o primeiro depoimento prestado por Júlio Camargo à Procuradoria Geral da República (PGR), em março.

Temer, em nota, disse que apoia as investigações da Operação Lava Jato e que essas apurações contribuem para o fortalecimento das relações institucionais brasileiras e da República. O comunicado, no entanto, contesta as informações dadas pelo delator e as classifica como "inteiramente falsas".

"Michel Temer não conhece Fernando Soares, nunca teve ou tem com ele qualquer relação ou contato de 'irmandade'; também não conhece Júlio Camargo", disse a nota. "O vice-presidente incentiva apurações sérias, profundas e responsáveis sobre os fatos. Apenas se insurge contra informações falsas e inverídicas", concluiu o comunicado.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.