Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Citado na Lava Jato, chefe de gabinete de Edinho Silva deixará cargo

Em julho, Secom negou a saída de Manoel Sobrinho após sua citação em depoimento do dono da construtora UTC; homem de confiança de Edinho, Sobrinho chegou ao Planalto em abril

Lorenna Rodrigues, O Estado de S. Paulo

02 Novembro 2015 | 12h35

BRASÍLIA - O chefe de gabinete do ministro Edinho Silva (da Secretaria de Comunicação Social), Manoel de Araújo Sobrinho, deixará o cargo nos próximos dias. De acordo com a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, Oliveira seguirá para a superintendência da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Sobrinho é homem de confiança de Edinho e foi citado em delação do dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, como responsável por acertar doações de R$ 7,5 milhões para a campanha da presidente Dilma Rousseff,em 2014. Pessoa disse que a empreiteira teria sido pressionada a fazer a doação para que pudesse continuar a ter contratos com a Petrobrás.

Em meados de outubro, Sobrinho prestou depoimento à Polícia Federal sobre o assunto. O Planalto nega que sua saída da Secom tenha qualquer relação com o depoimento de Pessoa. De acordo com os assessores, a EBC está passando por várias alterações e por isso Oliveira assumirá um cargo na empresa.

Em julho, matéria do Estado mostrava que a saída de Sobrinho estava acertada, o que foi negado à época.

O chefe de gabinete chegou ao Planalto junto com o ministro, no início de abril. Sobrinho ocupa um cargo de confiança (DAS 5) com remuneração bruta de R$ 11,235 mil, de acordo com dados do Portal da Transparência.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato Edinho Silva Secom UTC

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.