WILSON PEDROSA/ESTADÃO - 6/6/2011
WILSON PEDROSA/ESTADÃO - 6/6/2011

Citação na Lava Jato 'não faz menor sentido', diz Palocci

Ex-ministro enviou e-mails a empresário e amigos negando envolvimento com o esquema de desvio de dinheiro na Petrobrás; ele será alvo de inquérito na Justiça

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

10 de março de 2015 | 19h32

Brasília - Alvo da Operação Lava Jato, o ex-ministro Antonio Palocci enviou e-mail a ministros, empresários e amigos, na segunda-feira, negando envolvimento com o esquema de desvio de dinheiro na Petrobrás. Coordenador da campanha de Dilma Rousseff, na eleição presidencial de 2010, Palocci diz que a citação de seu nome no escândalo "não faz o menor sentido" e garante nunca ter tido contato, nem mesmo telefônico, com o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, que o denunciou em acordo de delação premiada.

"De qualquer forma, é mais uma batalha a ser vencida", escreveu Palocci na mensagem eletrônica de 25 linhas. Ex-ministro da Fazenda no governo de Luiz Inácio Lula da Silva e titular da Casa Civil durante cinco meses, no primeiro mandato de Dilma, ele será investigado pela Justiça Federal do Paraná no âmbito da Operação Lava Jato.


Palocci foi acusado por Costa de ter recebido R$ 2 milhões - cifra que seria fruto de propina em contratos da Petrobrás e intermediada pelo doleiro Alberto Youssef - para a campanha de Dilma, em 2010. O próprio Youssef, contudo, negou em sua delação que a quantia havia sido destinada à campanha presidencial de Dilma. Diante disso, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não viu indícios para a abertura de investigação contra a presidente.

"Pessoalmente gostaria de lhe transmitir, a bem da verdade, que os "fatos" apontados pelo Sr. Paulo Roberto Costa jamais ocorreram", disse Palocci no e-mail, enviado a amigos e também a adversários do PT, como o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga.

O ex-ministro cita três pontos para sustentar que as acusações contra ele são inverídicas . "1. Na campanha presidencial de 2010 participei como um de seus coordenadores, mas não como tesoureiro; 2. Jamais conheci o Sr. Alberto Yussef (sic), não podendo fazer a ele esta ou qualquer outra solicitação, seja direta ou indiretamente; 3. Não estive, nem pessoalmente, nem em contato telefônico com o Sr. Paulo Roberto Costa no ano de 2010, ou mesmo no ano anterior, como já esclareci através da imprensa desde que este assunto surgiu", insistiu Palocci.

O ministro Teori Zavascki, relator do processo da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), acolheu pedido de Janot e enviou o caso de Palocci à Justiça Federal do Paraná. A investigação será feita em primeira instância porque ele não tem mais foro privilegiado.

"Meu nome foi citado neste episódio, embora não haja até o momento abertura de inquérito ou qualquer outro procedimento", argumentou Palocci no e-mail, que grafa três vezes errado o nome de Youssef, chamado na mensagem de Yussef.


A seguir, a íntegra do e-mail enviado por Antonio Palocci, na última segunda-feira:


"Caros Amigos e Amigas,


Na ultima sexta foi divulgada lista de políticos que devem ser alvo de investigações sobre irregularidades apuradas na chamada operação Lava-Jato, no âmbito do STF.

Meu nome foi citado neste episódio, embora não haja até o momento abertura de inquérito ou qualquer outro procedimento. Essa citação foi feita pelo Sr. Paulo Roberto Costa ao afirmar que recebeu do Sr. Alberto Yussef, solicitação de recursos para a campanha presidencial de 2010, através de minha pessoa.

O Sr. Yussef, em depoimento recente junto a Procuradoria Geral da Republica, NEGA veracidade nessa informação e "declara categoricamente que esta afirmação (do Sr. Paulo Roberto) não é verdadeira".

Pessoalmente gostaria de lhe transmitir, a bem da verdade, que os "fatos" apontados pelo Sr. Paulo Roberto Costa jamais ocorreram. E nem poderiam, porque: 1. Na campanha presidencial de 2010 participei como um de seus coordenadores, mas não como tesoureiro; 2. Jamais conheci o Sr. Alberto Yussef, não podendo fazer a ele esta ou qualquer outra solicitação, seja direta ou indiretamente; 3. Não estive, nem pessoalmente, nem em contato telefônico com o Sr. Paulo Roberto Costa no ano de 2010, ou mesmo no ano anterior, como já esclareci através da imprensa desde que este assunto surgiu.

Estou lhe enviando anexo o conteúdo da petição da PGR para que a questão descrita seja enviada, como foi, para a 1a. instância da justiça. A leitura do anexo vai ajuda-lo a ver que a citação de meu nome neste episódio não faz o menor sentido.


De qualquer forma, é mais uma batalha a ser vencida.


Agradeço a sua atenção,

Antônio Palocci"

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoAntonio Palocci

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.