Cirurgia de Alencar dura quase 18h

Vice-presidente teve parte do intestino e dois terços do ureter retirados e respira com ajuda de aparelhos

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

27 de janeiro de 2009 | 00h00

Após enfrentar a cirurgia mais radical e severa a que já foi submetido na luta contra o câncer - foram quase 18 horas de procedimentos -, o vice-presidente José Alencar, de 77 anos, se recupera na UTI cardiológica do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Sedado, ele respira com a ajuda de aparelhos. O último boletim, divulgado ontem à tarde, informava que seu quadro clínico era estável: "mantém todos os sinais vitais normais, inclusive com bom funcionamento do rim".A longa batalha de Alencar teve início às 9 horas de domingo e arrastou-se até as 2h55 de ontem. Foi a quinta cirurgia que ele sofreu, desde 2006. Desta vez, o alvo foi o retroperitônio, porção posterior do abdome.Os médicos retiraram uma porção do intestino delgado, uma parte do intestino grosso e dois terços do ureter, canal que liga o rim à bexiga, onde foram encontrados um tumor de cerca de 12 centímetros de diâmetro e outros 8 tumores menores, chamados de nódulos-satélites.Durante a operação o ureter foi substituído por uma alça do intestino delgado. Os cirurgiões chegaram a estudar a possibilidade de um transplante renal, o que foi descartado pelo fato de o vice-presidente possuir apenas o rim esquerdo, o que poderia ampliar os riscos.A etapa final da intervenção consistiu na aplicação de quimioterapia hipertérmica. Os médicos injetaram uma solução aquecida a cerca de 42 graus centígrados para eliminar células cancerígenas microscópicas que eventualmente restaram na região abdominal.Nesse procedimento, comum nos casos do sarcoma - como o que acomete Alencar -, após a retirada dos órgãos afetados um cateter foi introduzido na cavidade peritonial, por onde foi aplicada a solução. Simultaneamente, outros três cateteres faziam a aspiração, promovendo uma lavagem. Foi a primeira vez que ele recebeu esse tipo de procedimento.As equipes que assistem Alencar são coordenadas pelos professores doutores Paulo Hoff (oncologista clínico), Roberto Kalil Filho (cardiologista) e Ademar Lopes (cirurgião-oncologista). "O vice-presidente e seus familiares foram avisados sobre a complexidade do procedimento, bem como sobre os riscos trans e pós operatórios, estando todos de perfeito acordo", ressaltou Ademar Lopes, que coordenou os trabalhos.Lopes destacou que "o vice-presidente é um lutador, um homem que tem muita fé". "E isso ajuda muito na recuperação dos nossos pacientes." O cirurgião explicou: "Era portador de um tumor do retroperitônio. Nós ressecamos todo o tumor em bloco com o segmento de intestino delgado, intestino grosso, alguns músculos da porção posterior do abdome e também os dois terços inferiores do ureter. Inclusive tivemos que ressecar os vasos ilíacos porque estavam completamente infiltrados pelo tumor."Indagado se a doença pode voltar, Lopes disse: "O ato cirúrgico foi muito bem-sucedido, tiramos a doença microscópica. Mas não temos nenhum método que revele se restaram células ou não. Esperamos que não."Roberto Kalil Filho, cardiologista que assiste o presidente Lula e Alencar, ressaltou que agora a grande preocupação da junta médica concentra-se no pós-operatório. "Vamos mantê-lo entubado e sedado, vamos avaliar passo a passo a evolução nas próximas 24 horas", declarou, enfaticamente, às 13 horas de ontem. "Esse período é extremamente crítico, vamos avaliar hora a hora."Kalil anotou que, "do ponto de vista cardíaco, a situação é bem estável, bem confortável". A luta de Alencar não tem fim. "Sua recuperação é excepcional, mas quase certamente vai ter que enfrentar novamente uma quimioterapia complementar ao tratamento feito até agora", informou Paulo Hoff. "Vai depender do resultado anatomopatológico de tudo o que foi retirado. Uma nova cirurgia dessa magnitude dificilmente será possível realizar."Na UTI, Alencar só pode receber a visita de familiares próximos. Duas irmãs dele, Dolores e Elza, estão no hospital desde sexta-feira. Também acompanham o vice-presidente sua mulher, Mariza, e os filhos. O presidente Lula deverá fazer uma visita a seu vice hoje. Ontem, ele telefonou ao cardiologista Kalil Filho para informar-se sobre o estado de Alencar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.