Ciro teria preferência por Portos e Aeroportos

Opção teria dois motivos: por ser uma pasta com disponibilidade de verba e de grande visibilidade e também por ser uma oportunidade de o deputado mostrar que é um bom gestor

João Domingos e Vera Rosa, de O Estado de S.Paulo,

14 Dezembro 2010 | 19h06

BRASÍLIA - O deputado Ciro Gomes (PSB) tende mais a aceitar o futuro Ministério dos Portos e Aeroportos do que a Integração Nacional ou a Saúde, informaram amigos muito próximos a ele. O deputado deve voltar ao Brasil nesta quarta-feira, 15, quando dará a resposta ao convite de Dilma.

 

Com o início da formação do ministério, o deputado tomou a decisão de viajar para a Europa. De acordo com assessores e amigos, para ficar longe do burburinho e das fofocas que envolveriam a formação da equipe da presidente eleita. A princípio, a ideia de Ciro Gomes era não aceitar nenhum convite. Mas, feito este pela presidente eleita, ele mudou de opinião.

 

A opção pelo Ministério de Portos e Aeroportos teria dois motivos. Primeiro, porque será uma pasta com muita verba e grande visibilidade internacional até 2014, quando será realizada no País a Copa do Mundo de Futebol. E Ciro quer se mostrar como um gestor capaz de pôr fim ao caos que toma conta dos aeroportos brasileiros por qualquer motivo, principalmente nas férias ou de feriados mais longos.

 

O segundo motivo seria o fato de deixar o Ministério da Integração livre para ser ocupado pelo ex-deputado Fernando Bezerra Coelho, que tem como padrinho o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, presidente do PSB. Durante a campanha presidencial, as relações entre os dois ficaram desgastadas, pois Ciro queria disputar a eleição. Foi contido por Eduardo Campos, que se aliou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ajudou a acabar com as pretensões de Ciro Gomes.

 

Ainda conforme os amigos do deputado, Ciro só lamenta o fato de o programa "Cinturão das Águas", que está interligando as bacias hidrográficas cearenses, com canais a céu aberto e adutoras, continuar com o Ministério da Integração Nacional. O programa está sendo tocado pelo governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), irmão de Ciro, em parceria com o governo federal. Deverá ser concluído até 2014.

Confusões petistas

 

Apesar das queixas do PT, a ministra do Meio Ambiente, Isabela Teixeira, deve permanecer no cargo. As várias alas do PT tentam derrubar Isabela, sob a alegação de que ela não é filiada ao partido. Dilma, no entanto, tem simpatia por Isabela e só vai retirá-la do posto em último caso, se tiver de ceder a vaga para acomodação política na seara petista.

 

A deputada Iriny Lopes (PT-ES), da corrente Articulação de Esquerda, é a mais cotada, até agora, para assumir a Secretaria das Mulheres. A possível entrada de Iriny na equipe de Dilma abre caminho para Guilherme Lacerda, ex-presidente da Funcef -- o poderoso fundo de pensão da Caixa Econômica Federal (CEF). Se Iriny for confirmada como titular da Secretaria de Mulheres, Lacerda assumirá a cadeira dela na Câmara. Ele fez uma das mais caras campanhas do Espírito Santo para deputado federal, mas não se elegeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.