Ciro reclama que réplica dos tucanos é ?fascistóide?

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, rebateu hoje declarações de deputados tucanos que o criticaram por ter acusado o ex-ministro da Saúde José Serra, candidato a prefeito da capital paulista, de omissão no caso do esquema de fraudes nas compras de hemoderivados pelo Ministério. "Quando não se tem resposta para o mérito, a tentativa tem sempre sido esta, facistóide, de querer desqualificar. Já estou acostumado", disse Ciro, referindo-se a declarações feitas ontem pelo deputado Alberto Goldman (PSDB-SP), que o taxou de desequilibrado mental. "A questão prática é essa. O povo brasileiro, a Polícia Federal o está demonstrando, perdeu algo em torno de R$ 2 bilhões num lugar crítico: remédio para o povo pobre", acrescentou Ciro. As fraudes descobertas pela Operação Vampiro vêm ocorrendo, segundo a Polícia Federal, desde 1990, pegando, portanto, os governos Fernando Collor, Itamar Franco, FHC e Lula. O ministro lembrou ter sido deputado duas vezes, prefeito de capital (Fortaleza), governador de Estado (Ceará) e ministro da Fazenda. "Um homem sem mancha na vida pública foi transformado por esse tipo de atitude facistóide em um desequilibrado. Isso, eles fazem sempre", disse. "A máfia age assim, mas eu espero que eles, que não são máfia, ainda pelo menos, procurem outro argumento e respondam para onde foi desviado o dinheiro". Ciro afirmou que "meia dúzia de facistóides" não vai intimidá-lo. "Qual é a obrigação de um homem público diante da noção de que isso está acontecendo?", questionou. "O que ele deve fazer: calar a boca? Venho para o debate".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.