Edilson Rodrigues|Agência Senado
Edilson Rodrigues|Agência Senado

Ciro Nogueira lideraria delegação de parlamentares à Europa, mas limita agenda e deixa evento antes

O senador pelo Piauí e presidente nacional do PP viajou para Genebra com a mulher, mas sua participação no evento se limitou a um almoço de confraternização e dois curtos encontros

Jamil Chade / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 18h20

O senador pelo Piauí e presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, liderou nesta semana uma delegação de nove parlamentares brasileiros em viagem à Suíça. Designado como chefe do grupo, ele representaria o Brasil na Assembleia Anual da União Inter-Parlamentar (UIP), em Genebra. A agenda de Nogueira, no entanto, se limitou a um almoço de confraternização entre parlamentares brasileiros e a dois curtos encontros que não estavam na agenda oficial da assembleia. A mulher do senador, deputada Iracema Portella (PP-PI), também estava na delegação. O casal não ficou até o fim do evento, que acaba nesta quinta-feira, 18.

Nogueira e a mulher desembarcaram em Genebra na segunda-feira, 15. Mas, pelo horário, o senador já não compareceu ao primeiro dia de reuniões – nem a qualquer outra atividade. Na terça-feira, 16, o parlamentar foi a um almoço na casa da embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo.

A assessora parlamentar que acompanhou o grupo, Silvia Araujo, afirmou inicialmente que Ciro Nogueira esteve em reunião bilateral com a delegação do Marrocos, que organiza em dezembro uma conferência sobre migração, e queria reforçar o convite ao Brasil.

O encontro, porém, não fazia parte da agenda oficial da UIP e estava marcado para o final da manhã de terça-feira, quando o senador ainda estava em seu hotel. Às 10h30 da manhã daquele dia, diante da ausência de Nogueira entre os membros da delegação no centro de convenções de Genebra, a reportagem telefonou para o hotel Mandarim Oriental e confirmou que ele continuava em seu quarto. Uma hora depois, a reportagem foi até o hotel e, pelo telefone, o senador se recusou a conversar. “Aqui no hotel não”, declarou, explicando que sua mala havia sido extraviada na viagem. Nogueira disse que falaria com a imprensa apenas no local do evento. Mas evitou afirmar a que horas iria às reuniões. “Pela tarde”, se limitou a dizer. 

Questionada sobre as contradições de horários, a assessora disse que “não se lembrava mais” de quem estava em qual evento. E completou que precisaria ter um sinal verde de Ciro Nogueira para dar a informação. No início da noite, ela justificou que não tinha como prestar o esclarecimento e sugeriu que a reportagem ligasse para o gabinete do senador, em Brasília. Na capital federal, seus assessores não sabiam dizer qual havia sido sua agenda.

Questionado pelo Estado, o deputado Cabuçu Borges (MDB-AP) confirmou que esteve na reunião com o Marrocos. Mas não disse se Nogueira também estava presente. “A reunião era privada”, afirmou. Ainda na terça-feira, 16, a delegação brasileira se reuniu com parlamentares dos países dos Brics. Mas, uma vez mais, Nogueira não compareceu. 

A assessoria parlamentar ainda indicou que o senador do PP esteve em outro encontro, com os países latino-americanos. Mas admitiu que a reunião fora “extraoficial”. Uma vez mais, o evento não fazia parte da agenda da UIP.

Em Genebra, Nogueira e a mulher ocuparam um dos quartos de um hotel de luxo, com vistas para o Rio Ródano, no valor de 539 francos suíços (cerca de R$ 2 mil) por noite. Só em hospedagem, o custo de tabela ficaria em mais de R$ 4 mil. De acordo com a assessoria de imprensa da UIP, todos os gastos de viagem e transporte são arcados pelos Parlamentos ou pelos senadores e deputados.

Paris. Nesta quarta-feira, o senador e a mulher deixaram Genebra logo pela manhã, sem voltar ao local do evento. Em seu gabinete em Brasília, a informação era de que ele voltaria ao Brasil somente no dia 23. Segundo o Estado apurou, Nogueira teria viajado para Paris. Seu gabinete informou que haveria um segundo encontro, na semana que vem, em que o senador participaria, também em Genebra. Por isso, ele teria permanecido na Europa. Ele seria um dos participantes Fórum de Investimentos Mundiais, realizado na ONU na próxima segunda-feira. 

Nesta quarta-feira, porém, o senador deixou de comparecer ao principal evento do Brasil no encontro de parlamentares. A função coube ao deputado Claudio Cajado (PP-BA). Enquanto ele falava, a bancada no auditório reservado ao Brasil estava vazia. A assessoria alegou que os demais parlamentares estavam em uma excursão ao Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern). O Estado apurou, porém, que a agenda oficial das excursões previa a visita para apenas duas horas depois do discurso. Questionado sobre a decisão de Nogueira de viajar, Cajado desconversou: “Não sei o motivo”.

Ao longo dos dias de reuniões, a bancada do Brasil no salão principal do evento ficou vazia por longos períodos, apesar de a delegação contar com quase 20 pessoas. Na tarde desta quarta-feira, por exemplo, a delegação de Uganda chegou a usar as cadeiras reservadas aos brasileiros. 

Composição. Dos nove parlamentares que viajaram para a Suíça, cinco eram do PP. A delegação incluiu ainda dois deputados que nem sequer foram reeleitos. Um deles era Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP). O outro foi Cabuçu Borges (MDB-AP). A UIP recomenda que as delegações sejam compostas por membros das mais diversas orientações políticas do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.