Edilson Rodrigues|Agência Senado
Edilson Rodrigues|Agência Senado

Ciro Nogueira lideraria delegação de parlamentares à Europa, mas limita agenda e deixa evento antes

O senador pelo Piauí e presidente nacional do PP viajou para Genebra com a mulher, mas sua participação no evento se limitou a um almoço de confraternização e dois curtos encontros

Jamil Chade / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 18h20

O senador pelo Piauí e presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, liderou nesta semana uma delegação de nove parlamentares brasileiros em viagem à Suíça. Designado como chefe do grupo, ele representaria o Brasil na Assembleia Anual da União Inter-Parlamentar (UIP), em Genebra. A agenda de Nogueira, no entanto, se limitou a um almoço de confraternização entre parlamentares brasileiros e a dois curtos encontros que não estavam na agenda oficial da assembleia. A mulher do senador, deputada Iracema Portella (PP-PI), também estava na delegação. O casal não ficou até o fim do evento, que acaba nesta quinta-feira, 18.

Nogueira e a mulher desembarcaram em Genebra na segunda-feira, 15. Mas, pelo horário, o senador já não compareceu ao primeiro dia de reuniões – nem a qualquer outra atividade. Na terça-feira, 16, o parlamentar foi a um almoço na casa da embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo.

A assessora parlamentar que acompanhou o grupo, Silvia Araujo, afirmou inicialmente que Ciro Nogueira esteve em reunião bilateral com a delegação do Marrocos, que organiza em dezembro uma conferência sobre migração, e queria reforçar o convite ao Brasil.

O encontro, porém, não fazia parte da agenda oficial da UIP e estava marcado para o final da manhã de terça-feira, quando o senador ainda estava em seu hotel. Às 10h30 da manhã daquele dia, diante da ausência de Nogueira entre os membros da delegação no centro de convenções de Genebra, a reportagem telefonou para o hotel Mandarim Oriental e confirmou que ele continuava em seu quarto. Uma hora depois, a reportagem foi até o hotel e, pelo telefone, o senador se recusou a conversar. “Aqui no hotel não”, declarou, explicando que sua mala havia sido extraviada na viagem. Nogueira disse que falaria com a imprensa apenas no local do evento. Mas evitou afirmar a que horas iria às reuniões. “Pela tarde”, se limitou a dizer. 

Questionada sobre as contradições de horários, a assessora disse que “não se lembrava mais” de quem estava em qual evento. E completou que precisaria ter um sinal verde de Ciro Nogueira para dar a informação. No início da noite, ela justificou que não tinha como prestar o esclarecimento e sugeriu que a reportagem ligasse para o gabinete do senador, em Brasília. Na capital federal, seus assessores não sabiam dizer qual havia sido sua agenda.

Questionado pelo Estado, o deputado Cabuçu Borges (MDB-AP) confirmou que esteve na reunião com o Marrocos. Mas não disse se Nogueira também estava presente. “A reunião era privada”, afirmou. Ainda na terça-feira, 16, a delegação brasileira se reuniu com parlamentares dos países dos Brics. Mas, uma vez mais, Nogueira não compareceu. 

A assessoria parlamentar ainda indicou que o senador do PP esteve em outro encontro, com os países latino-americanos. Mas admitiu que a reunião fora “extraoficial”. Uma vez mais, o evento não fazia parte da agenda da UIP.

Em Genebra, Nogueira e a mulher ocuparam um dos quartos de um hotel de luxo, com vistas para o Rio Ródano, no valor de 539 francos suíços (cerca de R$ 2 mil) por noite. Só em hospedagem, o custo de tabela ficaria em mais de R$ 4 mil. De acordo com a assessoria de imprensa da UIP, todos os gastos de viagem e transporte são arcados pelos Parlamentos ou pelos senadores e deputados.

Paris. Nesta quarta-feira, o senador e a mulher deixaram Genebra logo pela manhã, sem voltar ao local do evento. Em seu gabinete em Brasília, a informação era de que ele voltaria ao Brasil somente no dia 23. Segundo o Estado apurou, Nogueira teria viajado para Paris. Seu gabinete informou que haveria um segundo encontro, na semana que vem, em que o senador participaria, também em Genebra. Por isso, ele teria permanecido na Europa. Ele seria um dos participantes Fórum de Investimentos Mundiais, realizado na ONU na próxima segunda-feira. 

Nesta quarta-feira, porém, o senador deixou de comparecer ao principal evento do Brasil no encontro de parlamentares. A função coube ao deputado Claudio Cajado (PP-BA). Enquanto ele falava, a bancada no auditório reservado ao Brasil estava vazia. A assessoria alegou que os demais parlamentares estavam em uma excursão ao Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern). O Estado apurou, porém, que a agenda oficial das excursões previa a visita para apenas duas horas depois do discurso. Questionado sobre a decisão de Nogueira de viajar, Cajado desconversou: “Não sei o motivo”.

Ao longo dos dias de reuniões, a bancada do Brasil no salão principal do evento ficou vazia por longos períodos, apesar de a delegação contar com quase 20 pessoas. Na tarde desta quarta-feira, por exemplo, a delegação de Uganda chegou a usar as cadeiras reservadas aos brasileiros. 

Composição. Dos nove parlamentares que viajaram para a Suíça, cinco eram do PP. A delegação incluiu ainda dois deputados que nem sequer foram reeleitos. Um deles era Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP). O outro foi Cabuçu Borges (MDB-AP). A UIP recomenda que as delegações sejam compostas por membros das mais diversas orientações políticas do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.