Ciro Gomes recebe notificação. Fumava em local proibido

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, foi uma das primeiras pessoas notificadas por uma operação contra o tabagismo da Vigilância Sanitária do Distrito Federal hoje na Câmara. Ele estava fumando nas dependências da Casa, o que é proibido por lei do Distrito Federal, que veta o tabagismo em prédios públicos, e foi surpreendido pela coordenadora do programa de controla do tabagismo do DF, Mônica Mulser Parada. Ela o notificou, mas não cobrou nenhuma multa."Você vai ter o seu momento de fama, vamos lá", disse Ciro à coordenadora, assim que foi abordado. Depois, disse a ela quenão havia aviso de proibição de fumo na sala da Comissão da Amazônia, onde estava, e que consultou o deputado Júnior Betão (PPS-AC), presidente da comissão, se poderia fumar, tendo sido autorizado. "Não acho que fumar seja um bom hábito. Me desculpo com a senhora, com os meus filhos, com a minha esposa, que são aspessoas que me querem bem e não gostam que eu fume", disse o ministro. "Tenho 46 anos de idade e certas fragilidades ainda. Nenhuma delas é roubar", completou.A notificação que o ministro recebeu não é punitiva. Os problemas do ministro não pararam no cigarro. Ao chegar ao estacionamento da Câmara, o carro que o levaria de volta parao Ministério da Integração estava ocupando uma vaga reservada a portadores de deficiência física. Desta vez, porém, não foiadvertido.Depois de passar mais de quatro horas discutindo problemas da Região Amazônica, o ministro reclamou da possívelrepercussão que o caso da notificação pelo fumo teria. "Espero que nossa grande imprensa valorize o momento republicano", disse referindo-se ao debate sobre o desenvolvimento da Amazônia. Ainda durante a audiência, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, usou o microfone para defender o colega de governo. "Ele (Ciro) sempre foi respeitoso, não fumando perto de mim, que sou alérgica", disse Marina. "Ele chega a suar, mas não fuma". O deputado Júnior Betão chegou a fazer um apelo aos jornalistas: ?Não noticiem fatos irrelevantes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.