André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Ciro Gomes diz 'torcer' para que Lula tenha 'provada sua inocência'

Além de ex-ministro, outros potenciais candidatos a 2018, como Marina Silva, João Doria e Bolsonaro, comentaram condenação do petista

Elisa Clavery, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2017 | 08h13

O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) comentou a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, 12. Segundo nota divulgada em suas redes sociais, Ciro afirmou que "torce" para que o petista "tenha, enfim, provada sua inocência". O ex-ministro, porém, também criticou o ex-presidente e atribuiu a ele o fato de o presidente Michel Temer (PMDB) estar no poder. 

"Ninguém está acima da lei e imune ao alcance da justiça, mas esta condenação acontece ante uma grande revolta dos simpatizantes de Lula, uma estranhíssima e patológica euforia dos que o odeiam", diz a nota. Ciro falou, ainda, em "sentença sem uma prova cabal e simples". 

Potencial candidato a presidente em 2018, Ciro não falou em eleições em sua nota. Afirmou que considera o ex-presidente "o grande responsável político pelo momento terrível pelo qual passa o País" e disse que "a ele, e somente ele, devemos a imposição de um corrupto notório na linha de sucessão do Brasil, o senhor Michel Temer". 

ENTENDA: LULA CONDENADO PODE DISPUTAR ELEIÇÕES?

O ex-ministro lembrou que a sentença que condena Lula a 9 anos e seis meses de prisão foi dada pelo juiz Sérgio Moro um dia depois de o Senado aprovar o texto da reforma trabalhista. "Espero que seja só uma desagradável coincidência", escreveu. Ciro chamou Lula de "o ex-presidente mais popular da história moderna do Brasil", e afirmou que ele tem direito ao "devido processo legal". 

"Que ele recorra às instâncias superiores, que preserve a franquia democrática do devido processo legal e que - torço – tenha, enfim, provada sua inocência", diz a nota. 

Presidenciáveis. Ciro não é o primeiro presidenciável a comentar a condenação de Lula. Nesta quarta-feira, a também ex-ministra Marina Silva (Rede) disse que a sentença mostra que "ninguém está acima de lei e da Constituição"

Já o deputado federal Jair Bolsonaro, tecnicamente empatado com Marina em segundo lugar em recentes pesquisas de intenção de voto, chegou a dizer que "não estava vibrando nem comemorando a prisão de quem quer que seja", mas confundiu a condenação com prisão - o juiz Sérgio Moro não decretou a prisão do ex-presidente.

Crítico do PT, o prefeito de São Paulo João Doria afirmou que "justiça foi feita" e comemorou decisão do magistrado: "Viva Moro!".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.