Ciro Gomes diz que Brasil não privatizou direito

O ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes, provável candidato do PPS à Presidência em 2002, disse sábado à noite, em Campo Mourão-PR (a 460 km de Curitiba), que o Brasil "não privatizou direito". A afirmação foi feita durante palestra sobre a "Conjuntura Econômica Brasileira", que reuniu cerca de 500 pessoas entre empresários e filiados do PPS, no Clube 10 de Outubro, o mais tradicional e elitizado da cidade. "Eu dizia: vamos privatizar direito", ressaltou Ciro Gomes para uma platéia que praticamente lotou o salão social do clube. Ele disse que quando entregou o Ministério da Fazenda, no final do governo Itamar Franco, apenas a Telebras e a Vale do Rio Doce tinham patrimônio suficiente para pagar 80% da dívida interna brasileira, que era de R$ 61 bilhões. "Hoje já não há mais o que ser privatizado e a dívida interna é de R$ 600 bilhões".O pré-candidato do PPS citou a Telebras como exemplo. Ele disse que a estatal foi vendida pela metade do preço que valia. "Sei disso porque fui ministro da Fazenda e tinha acesso às informações". Durante a palestra, o ministro atacou o sistema econômico do governo federal e as propostas da "velha esquerda". Disse que a globalização não é a "lei da natureza" defendida pelo governo nem o "novo nome do imperialismo" pregado pela "esquerda antiga".O ex-ministro disse que o Brasil não está preparado para a globalização. Segundo ele, 95% da estrutura produtiva brasileira está na retaguarda. "Não estamos preparados para empreender globalmente. Nem no ataque, levando nossos produtos para o exterior, nem na defesa para competir com quem vem de fora". Ciro Gomes também previu alta nas taxas de juros. "Anotem aí: vai subir muito nos próximos dias". Ciro Gomes ministrou a palestra a convite da Associação Comercial e Industrial de Campo Mourão (Acicam). Um pouco antes, ele participou do encerramento de um encontro estadual do PPS do Paraná, também realizado na cidade. O ex-ministro esteve o tempo todo acompanhado da namorada, a atriz Patrícia Pillar. Por vários momentos, a atriz da Rede Globo roubou a cena e forçou o ex-ministro a viver cenas de tietagem.Desde a chegada ao aeroporto municipal de Campo Mourão, Ciro Gomes teve de se submeter a sessões de fotos junto com a namorada e os fãs dela. Quando chegou ao clube onde realizaria a palestra, ele tentou sentar sete vezes para fumar, mas teve de se levantar para as fotografias. No encontro do PPS, a pedido do público, Patrícia Pillar teve de discursar depois do ex-ministro que, a princípio, faria o encerramento do evento."Estou vivendo uma experiência impressionante", disse a atriz. "Nunca tive envolvimento com a política antes e este é um dia especial para mim". Cerca de 300 pessoas superlotaram o auditório com 200 lugares onde ocorreu o encontro. O ex-ministro não perdeu o bom humor. "Patrícia, esta é a minha turma", disse ele diante dos filiados do PPS. Quando perguntado sobre casamento, respondeu rindo: "Isso não é da sua conta".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.