Ciro Gomes chama assessoria de Dilma de 'organizações tabajara' após cancelamento de evento

Presidente desmarcou de última hora evento que estava agendado com o ex-ministro no interior do Ceará

Lauriberto Braga, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

28 Agosto 2015 | 18h39

Fortaleza - O ex-ministro e presidente da Transnordestina, Ciro Gomes, batizou de "Organizações Tabajara", em referência a piada do extinto programa de TV Casseta&Planeta, a assessoria de imprensa da presidente Dilma Rousseff, que cancelou de última hora um evento da ferrovia que estava marcado para esta manhã. "Matutices cearenses. Só posso dizer isso sobre o cancelamento do evento", afirmou.

Segundo Ciro Gomes, como o canteiro no Ceará onde estão ocorrendo as obras é em Lavras da Mangabeira, a 340 quilômetros de Fortaleza, ele havia sugerido outra opção. "Aí a assessoria da presidente Dilma, que chamam de Organizações Tabajara, marcou para Lavras da Mangabeira. Mas eu tinha proposto um evento em que ela entraria num trem no Piauí, etc, etc. Não era nem sequer aqui. Por aqui eu não preciso me exibir em canto nenhum", afirmou.

"Mas aí as Organizações Tabajara escolheram o canteiro de obras para dar a ordem de serviço. E estava tudo certo, mais de dez mil pessoas mobilizadas, estruturas todas caríssimas foram pagas por nós da Transnordestina. Quando foi ontem (quinta-feira) à noite, inacreditavelmente cancelaram porque o senador Eunício Oliveira bateu o pezinho lá em Brasília e disse que não aceitava". Eunício é líder do PMDB no Senado e candidato derrotado por Camilo Santana (PT) ao governo do Ceará no ano passado.

Para Ciro, a mudança na agenda é um "vexame". "Esse tipo de matutice nem em cidade pequena do interior se aceita mais. O que me choca é a Presidência da República sucumbir a esse tipo de coisa", afirmou. 

O senador Eunício Oliveira não quis comentar o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.