Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Ciro e Haddad avaliam união da esquerda

Pré-candidato do PDT à Presidência e ex-prefeito petista discutem possível aproximação entre partidos antes de início formal da campanha

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2018 | 05h00

Em jantar realizado nesta terça-feira, 20, no apartamento do ex-deputado Gabriel Chalita (PDT), o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) e o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, discutiram a criação de condições para uma aproximação entre partidos de centro-esquerda ainda antes do início formal da campanha eleitoral e dos registros das candidaturas, em agosto.

Segundo interlocutores de Ciro e Haddad, a conversa não ocorreu em torno da escolha de nomes nem da possibilidade cada vez maior de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser impedido pela Justiça de disputar a eleição. 

Os temas principais foram a necessidade da centro-esquerda se unir para fazer frente às candidaturas de centro-direita e como alinhavar essa união diante da inconsistência do cenário eleitoral em que, faltando seis meses para o registro das candidaturas, poucos nomes conseguiram se consolidar, seja por motivos políticos, seja por razões legais. De acordo com pessoas que falaram com Ciro e Haddad, ambos consideram que a unidade é a única forma de impedir o avanço da direita nas eleições de 7 de outubro. 

+++Para Ciro, ‘papel de Lula não é repartir a sociedade’

Ciro teria proposto a criação de um ambiente de diálogo no qual todas as siglas manteriam seus nomes, inclusive o de Lula, que leve à consolidação da unidade antes dos registros das candidaturas. Haddad se dispôs a levar a proposta para Lula e o PT. 

Manifesto. Outros partidos serão convocados. Ambos concordaram que o manifesto divulgado também na terça-feira pelas fundações ligadas ao PT, PDT, PCdoB, PSB e PSOL pode ser um ponto de partida para o início da aproximação. O documento omite qualquer referência em relação à candidatura de Lula. Segundo pessoas que participaram da elaboração do texto, a omissão foi um pedido de Ciro, que também é o único pré-candidato da centro-esquerda a não assinar o manifesto “Eleição sem Lula é Fraude”.

Conforme aliados de Ciro, Haddad teria salientado a dificuldade de convencer o PT a apoiar um nome de outro partido e o pré-candidato do PDT teria dito que já retirou a candidatura uma vez, em 2010, a pedido de Lula, e não está disposto a repetir o gesto.

Coordenador do programa de governo do PT para as eleições deste ano, Haddad é cotado para suceder a Lula caso o ex-presidente seja impedido pela Justiça de se candidatar. Já Ciro é apontado como possível herdeiro dos votos do petista. Ele foi ministro da Integração Nacional no governo Lula e é um dos o pré-candidatos que mais crescem caso o ex-presidente fique inelegível, segundo as pesquisas de opinião.

+++Lula diz que intervenção é uma forma de Temer 'pegar nicho de Bolsonaro' e presidente rebate

Condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês de prisão em regime fechado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá, Lula pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

Além de Ciro e Lula, o PCdoB já lançou o nome da deputada estadual Manuela D’Ávila (RS) como pré-candidata ao Planalto e o PSOL tenta convencer Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), a se filiar e disputar a Presidência.

O PSB negocia apoio ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), mas mantém canais de diálogo com Lula. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.