Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Para Ciro, eleição será decidida entre ele e Alckmin

Ex-ministro, que deve ser confirmado nesta quinta-feira, 8, como pré-candidato do PDT à Presidência, ironiza as chances de Temer

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 20h22

Pré-candidato do PDT à Presidência da República, o ex-ministro Ciro Gomes disse ontem duvidar da possível candidatura à reeleição do presidente Michel Temer e afirmou que a disputa em outubro ficará entre ele e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

++ Candidatura de Boulos irrita demais pré-candidatos do PSOL​

O PDT lançará a pré-candidatura de Ciro nesta quinta-feira, 8, em evento na sede do partido, em Brasília. 

O ex-ministro é considerado um dos candidatos a herdar o eleitorado petista sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa. Segundo pesquisa Ibope de janeiro, o pré-candidato do PDT sairia de 6% para 13% nas intenções de voto no primeiro turno num cenário sem a candidatura do ex-presidente.

++ Em manifesto, DEM ignora Previdência e se diz preparado para candidatura ao Planalto

Após participar de reunião da bancada do PDT na Câmara, nesta quarta-feira, 7, Ciro disse que, além dele, há outros quatro pré-candidatos com chances de crescimento nas pesquisas de intenção de voto, caso Lula fique mesmo impedido de concorrer: o próprio Alckmin, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) – os três no mesmo campo – e a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede). 

“Parece que a disputa será entre nós (grupo de Ciro) e Alckmin”, afirmou o pré-candidato do PDT. Sobre as chances de Temer entrar na disputa eleitoral deste ano, Ciro ironizou. “Eu duvido bastante, por indigência eleitoral aguda”, disse.

Em um afago público a Lula, o presidenciável declarou que o ex-presidente segue na frente das pesquisas por merecimento, é o único a liderar uma candidatura hegemônica e não deixará de ser ouvido em qualquer circunstância.

Ciro disse que sempre esteve próximo do ex-presidente nos últimos anos. “Faz 16 anos que ajudo Lula. Melhor que qualquer retórica é o testemunho de vida”, afirmou. “Se isso não falar por si, é porque há muita intriga tentando desfazer uma realidade de vida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.