Ciro diz ser ´insensatez´ dois aliados disputarem à Câmara

O deputado eleito Ciro Gomes (PSB-CE) espera conseguir antes das eleições para a Presidência da Câmara um acordo que impeça o embate entre Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e Arlindo Chinaglia (PT-SP), os dois candidatos da base governista ao cargo. ?Luto por entendimento?, revelou nesta terça-feira o ex-ministro da Integração Nacional, segundo deputado mais votado nas últimas eleições, com 663,8 mil votos.?Acho uma marcha da insensatez duas forças aliadas, que acabaram de sair de provas gravíssimas diante de toda opinião pública brasileira, não encontrarem uma fórmula ainda que complexa de sairmos todos desse episódio unidos.?Para Ciro Gomes, o confronto pode gerar uma ?seqüela? insuperável na base de sustentação do governo. Entretanto, o entendimento parece difícil. ?Posso garantir que vou lutar muito para ganhar a eleição da Câmara?, afirmou o atual presidente da Casa durante recepção a deputados eleitos.Arlindo Chinaglia também disse que não desistirá de concorrer ao cargo máximo da Câmara dos deputados. ?Da minha parte não é possível. Porque eu creio que consolidamos candidatura?, observou o petista.Para ele, a disputa entre dois candidatos da base aliada não vai prejudicar um governo de coalizão, defendido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. ?Da minha parte eu creio que não devemos fazer políticas com mágoas, temos que trabalhar com projetos. Não vejo porque ao se disputar a Presidência da Câmara algum partido vá abdicar do projeto que o presidente Lula representa. Não seria muito coerente. Então, eu creio que se mágoas ficarem, nós vamos trabalhar para saneá-las.?As eleições para a Presidência da Câmara ocorrem no dia 1º de fevereiro. Além de Aldo Rebelo e Arlindo Chinaglia, disputa o cargo o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), lançado pela terceira via.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.