Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Ciro diz que 'momento é de testosterona' ao falar de pré-candidatura de Marina

Provável candidato ao Planalto pelo PDT, o ex-ministro atacou possíveis postulantes de outros partidos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2017 | 17h16

RIO - O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, atacou possíveis postulantes de outros partidos ao posto durante um almoço com empresários na Firjan, no Centro do Rio, na tarde desta quinta-feira, 19. Sobre Marina Silva, o ex-governador do Ceará disse que não a vê com energia para a disputa e que, além disso, "o momento é muito de testosterona", hormônio masculino. Também dirigiu críticas aos tucanos Geraldo Alckmin, João Dória e Aécio Neves, a quem chamou de "cadáver político".

+++ A eleição da moral e dos bons costumes

Ciro disse que Aécio "continua dando as cartas" e afirmou que o PSDB insiste em não tirá-lo do comando do partido.

"Aécio é um cadáver político, e o que se faz com um cadáver é sepultar. E aí não sei por que não se sepulta. O cara está lá dando as cartas. A onda de revolta pede que ele saia da presidência do PSDB (da qual Aécio está licenciado). Ele não vai sair. Então não resolve", disse.

+++ Esquerda já traça cenário para 2018 sem Lula

O ex-governador e ex-ministro criticou o comportamento de Marina Silva. "Não a vejo com apetite de ser candidata, ou então é uma tática nova que eu nunca vi na minha vida pública, que é o negócio de jogar parado, de não dar opinião. Não vejo ela com a energia e o momento é muito de testosterona. Eu não elogio isso, é algo do Brasil. É um momento muito agressivo, e ela tem uma psicologia muito avessa a isso", afirmou.

+++ Desgaste com vídeo preocupa entorno de Doria

Ciro acrescentou que o PSDB "vai fazer uma campanha situacionista", "segurando a alça de um caixão de um governo que tem 3% de aprovação, ou vai deixar para a véspera da eleição para sair e ficar com o justo estigma de oportunista".

"Para não parar de fazer besteira, o Doria contesta o Alckmin, que o inventou. Qualquer político sabe que o Alckmin aumentava as remotas e decrescentes chances do PSDB. Portanto, o PSDB vai se decidir por ele e aí não se resolve o problema. Deixa o Doria desgastando o Alckmin", disse.

+++ PSB abre diálogo e ensaia 'volta às raízes'

Apesar das críticas ao partido, Gomes afirmou que "quer representar um certo pedaço do PSDB, que ajudou a fundar". "Fui o primeiro e único governador eleito pelo PSDB pelas eleições de 90 e rompi por causa da fraude do real porque não queria ser confundido com aquilo", afirmou.

+++ Eleições 2018: o que você poderá dizer na Internet?

Ciro disse ainda que Jair Bolsonaro, neste momento, "representa uma coisa muito respeitável que é a repulsa do povo brasileiro com a prática média da política". Destacou, porém, que "o voto não é catártico".

"Essas bofetadas que o Supremo dá, que o Congresso dá, todo dia o Bolsonaro vira uma coisa catártica de protesto. Mas o voto não é catártico. O voto é afirmativo. Portanto, na hora que o PSDB de organizar, eles vão começar a se canibalizar. O PSDB subindo, e o Bolsonaro subindo. E eu vou passando", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.