Ciro critica domínio de Roseana em programa de TV do PFL

O pré-candidato pelo PPS à presidência, Ciro Gomes, disse hoje que o crescimento da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PFL), nas pesquisas eleitorais, se deu em função de uma "exposição completamente ilegal." "O programa partidário tem de ser para a apologia do programa partidário. Não pode ser para o lançamento precoce de uma candidatura não homologada em convenção", afirmou Ciro. O presidenciável afirmou que Roseana disse, no Programa Eleitoral Gratuito do PFL, que foi ao ar recentemente, que ela é candidata à Presidência da República, o que não é permitido pela lei. "Ela falou que é candidata; mas não tem problema, está tudo bem", disse ele. Ciro chegou hoje em São Paulo para formalizar aliança com o PTB. Ele participa, na tarde de hoje, de um almoço na casa do deputado estadual petebista, Campos Machado, líder do partido na Assembléia Legislativa. Vereadores, deputados estaduais e federais dos dois partidos também participam do encontro, assim como o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho. Ciro negou que o erro do seu partido (que perdeu prazo para o preenchimento de requerimento que permitiria que a legenda tivesse programa eleitoral gratuito) tenha ocorrido por conta de desorganização. "Isto revela um cochilo de um órgão do partido que não percebeu a mudança da lei; porque o que está acontecendo é que a lei está sendo mudada ao sabor dos interesses hegemônicos do atual quadro do poder", disse. "E a gente tem de ficar duplamente ligado porque a democracia brasileira vai precisar disso, de vigilância", completou.AécioCiro Gomes disse que o lançamento do nome do presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), entre os candidatos à presidência, feito ontem pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, "é só um sintoma de que há uma desagregação grave" no PSDB. "A confusão do lado de lá é tão grande que eu prefiro comentar apenas o último passo", afirmou, referindo-se ao nome de Aécio. "Eu não vou me desgastar comentando passo 1, passo 2, passo 3, passo 4, passo atrás ou à frente", afirmou, referindo-se aos nomes que vem sendo cotados dentro do PSDB para a sucessão de Fernando Henrique. Além de Aécio, o governador do Ceará, Tasso Jereissati, o ministro da Saúde, José Serra, e o ministro da Educação, Paulo Renato, são pré-candidatos tucano para a disputa presidencial do ano que vem.Ciro participa na tarde de hoje de um encontro na casa do deputado estadual Campos Machado (PTB). O encontro conta com a presença de cerca de 60 parlamentares petebista e do PPS, e, segundo Ciro, formaliza a aliança que os dois partidos farão para eleição presidencial.Ciro voltou a criticar o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva. Ele afirmou que o petista é "inexperiente e não pode ficar sonhando com uma candidatura única das esquerdas no primeiro turno". "O líder das pesquisas e o líder do principal partido de esquerda não pode sonhar, tem que agir", disse Ciro. Ele sinalizou que uma coligação com o PT só seria possível no segundo turno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.