Ciro anuncia que vai cancelar projeto Usimar

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, disse hoje que ainda nesta semana vai cancelar todo o projeto Usimar, que previa investimentos de R$ 1,38 bilhão no Maranhão, sendo R$ 690 milhões do extinto Fundo de Financiamento da Amazônia (Finam) e a outra metade dos responsáveis pelos projetos industriais que seriam implantados no Estado. Ciro disse ainda que vai acionar a Justiça para recuperar os R$ 44,15 milhões repassados ao projeto desde 1999, quando foi aprovado. O projeto Usimar funcionaria como uma gigantesca planta industrial destinada a levar o desenvolvimento e abrir empregos no Maranhão. Mas acabou envolvido em fraudes de tal volume que acabou na mira do Ministério Público e da Polícia Federal e foi responsável pela bancarrota da pretensa candidatura da então governadora Roseana Sarney (PFL), hoje senadora, à Presidência da República. A proposta foi aprovada na sessão em que a então governadora presidia o Conselho Deliberativo da Superindendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). "Para cancelar a Usimar tive de fazer um processo com todo o cuidado jurídico, para evitar que os fraudadores possam recorrer à Justiça e se beneficiar ainda mais", disse Ciro Gomes, logo depois de participar de uma audiência na Comissão de Desenvolvimento Urbano e Interior, quando comunicou formalmente a decisão do governo de cancelar todo o projeto Usimar. O ministro deu a entender ainda aos deputados que os projetos de recriação da Sudam e da Sudene vão ser enviados ao Congresso em forma de projeto de lei, para evitar a edição de medidas provisórias que recriariam as duas autarquias. "Ponderei ao presidente da República que o resultado da um debate que passa pelo Congresso é muito mais forte, porque representa um debate da própria sociedade. Tenho certeza de que Sudem e Sudene renasceriam com todo vigor."No encontro com os deputados, Ciro voltou a fazer comentários sobre a reforma tributária. Reduziu o tom das críticas feitas anteriormente, mas reafirmou que a proposta poderia ser um pouco mais avançada: "Melhorou, mas foi parcialmente. Os senhores, como atores, vão testemunhar que a falta de uma política de desenvolvimento vai pôr em risco a agilidade das reformas." Ciro disse ainda que é contrário à cobrança de imposto apenas no destino, porque estrangularia os Estados industrializados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.