Cinco milhões de pessoas infectadas pelo HIV este ano

Genebra - Apesar de todas as campanhas de prevenção e dos esforços de garantir tratamento, nunca a Aids matou tantas pessoas como agora. Segundo o relatório da UNAIDS, 3 milhões de pessoas devem morrer em 2003 por causa da doença. Em 2002, o número de mortes chegou a 2,8 milhões. Outras cinco milhões de pessoas devem ser infectadas apenas neste ano, o que fará com que o número total de aidéticos passe de cerca de 38,5 milhoes no ano passado para 40 milhões de pessoas em todo o mundo ao final de 2003. "A epidemia não dá sinais de que se enfraquece", afirma a UNAIDS. A cada dia, a ONU aponta que 14 mil novas pessoas são infectadas pelo vírus no mundo e um das grandes preocupações é de que 95% delas vivem em países pobres. O caso mais sério é o do sul da África. Um adulto a cada cinco vive com a doença na região e, até o final do ano, esses países acumularão 2,3 milhões de mortes desde janeiro. Em Botsuana e na Suazilândia, a taxa de infecção é de 39%. Dos cinco milhões de novos casos em 2003, três milhões foram registrados nessa região da África. No total, esses países contam com 26,6 milhões de aidéticos, cerca e 30% da população mundial infectada pela doença.Enquanto a região é a mais atingida do mundo, os africanos que contraíram a doença são os que menos recebem tratamento. Apenas 2% da população conta com acesso gratuíto aos medicamentos. Mas a África não é a única preocupação da UNAIDS. Segundo o relatório anual, uma nova onda da epidemia pode ameaçar a China, Índia, Indonésia e Russia. Na China, os dados oficiais apontam que existiriam 840 mil pessoas infectadas pelo vírus. Especialistas acreditam que o número é bem maior. A transmissão ocorre nesses países por dois motivos: o uso de drogas injetáveis e o pouco uso de preservativos em relações sexuais. A agência da ONU também teme pelo que pode ocorrer nos países ricos da Europa e América do Norte. Existe a percepção entre os jovens de que a aids tem tratamento e, desde finais dos anos 90, os cuidados para evitar a contaminação tem diminuído. O resultado está sendo um novo aumento no número de casos de Aids, que já chegam a 1 milhão nos Estados Unidos e Canadá. Na Europa, são 600 mil o número de pessoas infectadas. Na América Latina e no Caribe, a taxa de mortalidade da aids chegou a 100 mil em 2003 e foi superada apenas pela África e Ásia. No total, entre 1,3 milhão e 1,9 milhão de pessoas estão contaminadas pela doença na região e, em 2003, outros 210 mil novos casos estão sendo identificados. "O HIV está arraigado na região", afirma a UNAIDS, que aponta que doze países tem pelo menos 1% da população contaminada. Crianças - Do total de pessoas contaminadas no mundo pelo HIV, 2,5 milhões são crianças. Em apenas um ano, 700 mil novoscasos foram registrados e 500 mil não sobreviveram. O problema não pára por aí. Só no Haiti, 200 mil crianças são órfãs porcausa da aids. Na África, a estimativa é de que 11 milhões de crianças tenham perdido um de seus país na guerra contra o vírus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.