Cinco mil farão apelo para que Garotinho deixe a greve de fome

Aumentam os apelos para que o pré-candidato do PMDB à Presidência, Anthony Garotinho, abandone a greve de fome. Dirigentes do partido pretendem reunir nesta quarta cinco mil pessoas no centro do Rio para pedirem que Garotinho abandone a greve e lute pela sua candidatura. Dezenas de ônibus e alguns prefeitos do interior estão sendo esperados. O deputado federal Michel Temer, presidente do PMDB, também deve ligar para o ex-governador do Rio e apelar para que ponha fim à greve.O médico Abdu Neme disse que o ex-governador terá de acabar com o protesto que faz contra as denúncias de irregularidades nas empresas que fizeram doações para sua pré-campanha caso queira participar da convenção do partido, no sábado, que decidirá se haverá ou não candidatura própria."Em hipótese nenhuma ele pode sair daqui para a convenção", afirmou Neme, acrescentando que Garotinho terá de ficar hospitalizado um dia ou dois depois que decidir terminar com o protesto. "Tem que repor os sais minerais para pôr fim à desidratação e ingerir os nutrientes mínimos para manter o metabolismo funcionando", disse Neme, médico da família há 16 anos.ConveçãoNo fim da tarde, Garotinho, fez mais um pronunciamento, reafirmando sua intenção de ir à convenção do partido, no sábado, em Brasília. Ele disse querer dar uma resposta ao ex-governador de São Paulo Orestes Quércia, que o teria criticado, dizendo que a greve de fome envergonha o partido. Garotinho respondeu afirmando que a greve "engrandece" a legenda."É muito difícil comparar a minha vida com a do Quércia. Eu entrei pobre na política e só tenho uma casa. Ele entrou pobre como eu e hoje é um dos empresários mais ricos de São Paulo."Garotinho também ironizou seus adversários no PMDB, como os senadores José Sarney e Renan Calheiros, além do ex-ministro José Dirceu. "Não vou permitir que amanhã um filho meu olhe para mim envergonhado. Imagino o drama do filho do José Dirceu, ter que olhar para o pai, acusado de chefiar o mensalão."PartidoA assessoria de imprensa do deputado Michel Temer informou que o presidente do PMDB fará um apelo para que Garotinho termine a greve de fome e participe da convenção, fortalecendo a tese da candidatura própria. De acordo com a assessoria, Temer não poderá vir fazer o apelo pessoalmente porque está envolvido com a organização do encontro, em Brasília.O deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), um dos quatro peemedebistas enviados aos EUA para pedir, em nome de Garotinho, o acompanhamento internacional do processo eleitoral, disse que a entidade cogitou a possibilidade de enviar um representante para elaborar um "relatório isento para o período pré-eleitoral". Para isso, no entanto, é necessária a autorização do Itamaraty. O Ministério das Relações Exteriores não quis se pronunciar sobre o assunto.Visitas e medicaçãoGarotinho recebeu nesta terça a visita de três campeões da Copa de 70, Nilton Santos, Brito e Silva, que participam do projeto Farmácia Popular, do governo do Estado, que também pediram que ele abandone a greve de fome. A mulher, Rosinha, e os nove filhos foram contra a idéia desde o início e reforçam os apelos para que o protesto termine ainda nesta quarta.Há nove dias, Garotinho ingere apenas água mineral e soro caseiro (para cada 300ml mistura-se uma pitada de sal e duas colheres de chá de açúcar. À noite, toma um comprimido de 1mg de Ocadil, ansiolítico que reduz a ansiedade e induz ao sono. Ele já emagreceu 5,7kg.Nesta terça, o pré-candidato do PMDB passou mais tempo acordado do que na segunda-feira, por causa da reintrodução do soro. Essa terapia havia sido interrompida na segunda porque Garotinho estava ficando enjoado com o gosto de água salobra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.