Cinco fábricas de produtos ortopédicos são interditadas

Cinco fábricas de produtos ortopédicos de Campinas foram interditadas pela Vigilância Sanitária porque não possuíam registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A interdição, divulgada hoje, ocorreu após inspeções de fiscais do Ministério da Saúde e da Secretaria Municipal. As empresas fabricavam produtos ortopédicos e de implantes, como pinos, placas e próteses. O coordenador da Vigilância em Saúde, o biológo Daniel de Freitas, disse que há indícios de que os produtos tenham sido comercializados em todo o País, mas a Secretaria irá colher mais informações para saber o volume e o destino das vendas. Freitas explicou que os empresários foram notificadas para interromper a produção e recolher os produtos que estão no mercado. Somente poderão retomar a fabricação depois de regularizarem a situação na Anvisa e na Vigilância Sanitária Municipal. Caso desobedeçam a orientação, poderão ser multados. A licença está condicionada à qualidade da matéria-prima, do processo de produção e do desenvolvimento técnico dos produtos. ?Os itens produzidos de forma inadequada podem causar lesão e, em alguns casos, exigir cirurgia corretiva?, comentou a coordenadora da Vigilância de Campinas, Salma Balista. As empresas foram identificadas como Traumédica, MinasMed, Julimed, Medimed e ADJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.