Cimi exige ação do governo para libertar missionários

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) divulgou nota em que exige providências imediatas do governo para libertar os missionários da Área Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, que teriam sido espancados e seqüestrados por um grupo de posseiros e fazendeiros contrários à demarcação das terras em favor dos índios. Na nota, o Cimi exige ainda a prisão dos agressores e a imediata homologação da reserva indígena. Segundo informações do Padre Edson Damian, da Diocese de Roraima, divulgadas pelo Cimi, na madrugada de hoje cerca de 200 pessoas invadiram e depredaram a sede da missão indígena do Surumu, que fica a 220 quilômetros de Boa Vista. Os invasores, de acordo com o relato, agrediram os padres Ronildo Pinto França e Cézar Avellaneda, o Irmão Juan Carlos Martinez e um grupo de sete estudantes de Manaus, os quais estariam sendo mantidos como reféns. Também estariam detidos nove alunos indígenas que freqüentam uma escola mantida no local. Para o Cimi, a invasão é uma das conseqüências da protelação, pelo governo, da homologação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol. A homologação foi anunciada diversas vezes no ano passado e prometida para este mês pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.