Cientistas vão ganhar bolsa mensal para ficar no Brasil

Para evitar a fuga de cientistas do Brasil, o governo anunciou nesta quinta-feira a seleção de 105 doutores brasileiros que ganharão bolsa mensal - equivalente ao salário de um professor universitário adjunto - para permancer no Brasil ou retornar do exterior. Os doutores com especial talento e competência em áreas estratégicas, como biotecnologia, informática e agronegócios, foram escolhidos entre 1.200 candidatos.Destes, 30% moram em outros países. O valor da bolsa varia de R$ 3,7 mil a R$ 4,5 mil, dependendo da experiência do pesquisador. O governo oferecerá ainda verba adicional, sujeita a prévia aprovação, para o pesquisador comprar computador, montar biblioteca e até contratar algum técnico ou estudante. Além disso, receberá ajuda para viajar uma vez por ano a um congresso internacional.Inicialmente, a bolsa vale por dois anos, podendo ser prorrogada por igual período. O prazo poderá ser menor, se o pesquisador arrumar emprego fixo em uma instituição pública ou centro tecnológico privado. O ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sardenberg, diz que apenas 2% dos bolsistas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) não retornam ao Brasil.Mas, em compensação, 20% dos doutores que saem do País com recursos próprios permanecem no exterior. O ministro comentou ainda que o Programa Especial de Estímulo à Fixação de Doutores (Profix), que pagará R$ 10 milhões anuais para os pesquisadores, poderá ainda neste ano selecionar outros 200 doutores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.