Cientistas encontram rede de vilarejos perdidos na Amazônia

Uma vasta região da florestaAmazônica situada dentro das fronteiras brasileiras abrigou umcomplexo de habitações antigas nas quais moravam cerca de 50mil pessoas, afirmaram cientistas que analisaram imagens desatélite referentes a essa área. Os pesquisadores, cuja descoberta foi publicada naquinta-feira, na revista Science, descreveram conjuntos decasas e pequenos vilarejos ligados por uma complexa rede deestradas e abrigando uma sociedade condenada à extinção com achegada dos europeus ao continente, cinco séculos atrás. Os colonizadores europeus e as doenças vindas com elesprovavelmente mataram a maior parte dos habitantes daquelaárea, disseram os cientistas. As moradias, feitas de redes de cidadezinhas muradas epequenos vilarejos organizados ao redor de uma praça central,foram quase totalmente cobertas pela vegetação. "Não se trata propriamente de cidades, mas de um tipo deurbanismo, de moradias construídas ao redor de um centro",afirmou em um comunicado Mike Heckenberger, antropólogo daUniversidade da Flórida. "Se avaliarmos a cidadezinha medieval mais comum ou a pólisgrega habitual, a maior parte delas é mais ou menos do tamanhodo que encontramos na Amazônia. Apenas que estas últimas sãomuito mais complexas do ponto de vista do planejamento",acrescentou. Com a ajuda de imagens feitas por satélite, ospesquisadores passaram mais de uma década identificando emapeando as comunidades perdidas. Antes da chegada dos europeus, a partir de 1492, ocontinente americano abrigava muitas sociedades prósperas egrandes cidades. As descobertas mais recentes ajudarão acompreender melhor as várias civilizações pré-colombianas. A existência de sítios arqueológicos na região do AltoXingu significa que grandes áreas de floresta virgem sofriam,na verdade, o impacto de atividades humanas já naqueles temposremotos, afirmaram os cientistas. Em seu trabalho, os pesquisadores dos EUA e do Brasilreceberam a ajuda de um kuikuro, membro de uma tribo de índiosda Amazônia que descendem dos moradores daquelas construções. (Reportagem de Will Dunham)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.