Cientista político não vê iminência de crise institucional

O cientista político e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Fábio Wanderley Reis não vê iminência de crise institucional no governo federal em razão das denúncias envolvendo os presidentes do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, e do Banco do Brasil (BB), Cássio Casseb. Para ele, a "turbulência" gerada por conta das denúncias envolvendo os presidentes das duas instituições financeiras "estão relacionadas com o processo eleitoral". Na avaliação de Reis, se as denúncias ficarem no nível que estão não há razão para um desdobramento mais sério. "A oposição perdeu o discurso da crise da política econômica e os indicadores mostram isso. Então, ela está no seu papel, que é o de agitar", comentou. O cientista político disse ainda considerar que o presidente do BC tem dado "explicações adequadas" até o momento. Reis destaca, porém, que no mais recente episódio envolvendo Meirelles - e divulgado pela revista Veja na internet - o presidente do BC "parece ter adotado um posicionamento defensivo". Segundo reportagem da revista, em 2002 Meirelles teria remetido US$ 50.677,12 de uma conta pessoal no banco Goldman Sachs, nos Estados Unidos, para doleiros que estão sendo investigados por lavagem de dinheiro e não teria declarado a conta ao Imposto de Renda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.