Cientista político fala do ?tosco? Itamar e do ?estouvado? Ciro

O cientista político Fábio Wanderley Reis, da Universidade Federal de Minas Gerais, que fez um trabalho sobre as perspectivas políticas para o País caso a oposição vença o pleito presidencial de 2002 - e que foi um dos temas do falado jantar de Fernando Henrique com um grupo de empresários, no apartamento paulistano do banqueiro Olavo Setubal -, traçou um retrato devastador de dois dos presidenciáveis, Itamar Franco e Ciro Gomes, carregando nas tintas em relação ao governador mineiro. Entrevistado no ?Passando a Limpo?, da Rede Record, Reis considerou muito pouco provável que o presidente Fernando Henrique Cardoso emplaque seu sucessor, caso não reverta a crise energética e recoloque o Brasil na trilha do crescimento econômico.Malan e LulaSobre a eventualidade de Malan entrar na disputa (para algumas fontes, o ministro da Fazenda seria o candidato ?in pectore? de FHC), o cientista político resumiu: "Acho o ministro Malan, como candidato a presidente da República, uma mala sem alça". Já sobre a candidatura petista de Luiz Inácio Lula da Silva, acentuou que ela desperta naturais reservas entre o empresariado. Para tanto, lembrou que a única vez em que a esquerda, ou parte dela, esteve no poder central, o resultado não foi bom, numa referência ao deposto governo de João Goulart. De qualquer forma, estimou que, caso Lula vença o pleito e consiga cumprir o seu mandato, a democracia brasileira terá dado uma demonstração de que veio para durar.O ?tosco? ItamarFábio Wanderley dos Reis tem opiniões definitivas sobre o governador mineiro: "Acho que o Itamar Franco é uma figura menor, claramente alguém sem consistência intelectual e pessoal; é tortuosa a sua trajetória; um sujeito que se marcou, afinal de contas, na aventura do Collor e que virou presidente por causa disso. Se elegeu depois governador de Minas pelo fato de ter sido um ex-presidente, e tem mostrado que seu entra-e-sai de partidos é em função de cálculo eleitoral. Além do mais, com o que tem de tosco, o nacionalismo tosco com que ele acena, os acenos ocasionais às Forças Armadas, à PM mineira... Com todas essas coisas, acho que o Itamar Franco certamente poderia ser, ele próprio, um fator de instabilidade, independentemente de questões de sublevação que o PT, com sua origem revolucionária, tende a suscitar. Imagine o que seria o Itamar eleito com milhões de votos, com suas motivações esquisitas e miúdas."O ?estouvado? Ciro GomesO presidenciável do PPS, Ciro Gomes, tampouco foi poupado pelo cientista político mineiro, sobretudo por ter comparado o jantar de FHC com empresários, onde seu referido texto foi objeto de análises, a uma espécie de conspiração da direita, semelhante à que deu origem à Oban (Operação Bandeirantes, destinada a reprimir os movimentos de esquerda durante o regime militar). "É claramente uma figura estouvada", disse Reis. "Não há nada de conspiratório no texto em si, e quem quer que tenha se dado o trabalho de ler, coisa naturalmente que não é o caso dele (Ciro), percebe que essa tentativa de caracterizar o jantar como conspiração, pelo fato de o meu modesto texto ter sido distribuído, é paranóia da pior espécie."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.