Ciclone pode atrasar chegada de Anabel

O avião que deveria partir de neste Sábado de Cuba trazendo a menina Anabel Soneira Antigua, de 14 anos, não deve decolar hoje devido a passagem do ciclone Michelle. Hoje, autoridades cubanas ordenaram a evacuação de 150 mil habitantes de Havana devido a aproximação do ciclone de classe 4 que ameaça a área central de Cuba, parte da Flórida e Bahamas. Especialista disseram que Michelle, que já causou doze mortes e deixou milhares de desabrigados na América Central, pode aumentar ainda mais as rajadas de ventos a medida que avança em direção ao norte do continente.A passagem do ciclone, que deve atrasar o voô de Anabel, é somente mais um contratempo em uma história que dura 4 anos. Em 1997, o médico Miguel Soneira, pai de Anabel, veio ao Brasil junto a uma comitiva de médicos para trabalhar no Programa Saúde de Família, no Nordeste do país. A mãe, Letícia, veio para o Brasil há quase dois anos e teve outra filha aqui- Nicole com quase dois anos. Assim, o governo brasileiro autorizou a permanência do casal. As irmãs se viram duas vezes. Uma quando Nicole tinha um mês e outra há dois meses, quando a mãe e a menina foram à Cuba visitar a família. Depois do último encontro, Anabel entrou em depressão. Há um mês, um laudo psiquiátrico indicou que Anabel estava com depressão e com tendências para ações suicidas e aconselhou a reaproximação com os pais o mais rápido possível.Miguel é considerado um traidor pelo governo cubano e não pode sequer retornar ao seu país para visitar a filha. Isto explica a dificuldade na obtenção do visto por parte do governo cubano para Anabel. Hoje ele mora em Catende, na zona da mata de Pernambuco.Se tudo correr bem com a passagem do ciclone Michelle, a familía deve se reunir no início da próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.