Chuvas elevam rapidamente nível de reservatórios

As chuvas dos últimos dias estãoaumentando mais rapidamente o volume médio diário de água queentra nos reservatórios das usinas hidrelétricas das regiõesSudeste e Centro-Oeste. Dados do Operador Nacional do SistemaElétrico (ONS) mostram que, nos primeiros cinco dias do mês, amédia de água nos lagos das usinas subia 0,20 ponto porcentualao dia.Nos últimos seis dias, essa média diária passou para 0,40 ponto. Na quarta-feira, o presidente Fernando HenriqueCardoso chegou a afirmar que o racionamento de energia poderiaser suspenso por causa das chuvas. Com isso, o volume dos reservatórios dessas regiõespassou de 23,26% no dia 1º de dezembro para 29,7% ontem, oque representava 14 pontos porcentuais acima da curva-guia - olimite mínimo de segurança estabelecido pela Câmara de Gestão daCrise de Energia Elétrica (GCE).Na terça-feira, a diferença em relação à curva-guia erade 13,8 pontos porcentuais e, no início do mês, de apenas 10,39pontos porcentuais.Nordeste - Já no Nordeste, as recentes chuvas e a afluência dosrios fez com que os reservatórios da região recuperassem o fluxode água verificado no início do mês. Nos últimos seis dias, ovolume diário de água que enchia os lagos estava em 0,24 ponto,o mesmo dos cinco primeiros dias do mês. Ainda assim esse volumede água é bem superior à média verificada entre 11 e 15 dedezembro, quando os reservatórios enchiam só 0,02 pontoporcentual ao dia.Com isso, os lagos da região continuam enchendo. Naquarta-feira, os reservatórios contavam com 12,4% de água,contra 12,2% no dia anterior. Isso significa que o desvio emrelação à curva-guia passou de 7,4 pontos porcentuais para 7,6pontos. No início do mês, a diferença em relação ao volumemínimo de segurança era de apenas 3,68 pontos porcentuais.Consumo - Ontem, primeiro dia útil depois do feriadonatalino, o consumo de energia elétrica nas áreas sobracionamento aumentou, mas ainda se encontrava inferior aoverificado na sexta-feira da semana passada. Dados do ONSapontavam para uma economia de 16,8% na Região Sudeste eCentro-Oeste em relação à meta prevista de consumo. No diaanterior, a diferença foi de 33,2% e na sexta-feira estava emapenas 3,7%. Eram esperados, ontem, gastos de 23.500 MW/médiosnas duas regiões, mas o consumo foi de apenas 19.543 MW/médios.No Nordeste, porém, o consumo de energia foi bastanteelevado no dia 26. A diferença entre o efetivamente gasto e ameta foi de apenas 5,8%. Dos 5.400 MW/médios previstos, apopulação nordestina gastou 5.082. No dia 25, essa diferençaestava em 20,6%. Com esse a consumo elevado no Nordeste, aeconomia acumulada no mês teve uma pequena queda, de 7,57% emrelação à meta global, para 7,50%. Já no sistema interligadoSudeste e Centro-Oeste, a economia acumulada aumentou de 7,8%para 8,2%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.