'Choques' causarão desacelaração do Brasil, diz FMI

Órgão estima que efeitos da crise levarão país a crescer menos em 2009.

Bruno Garcez, BBC

08 de outubro de 2008 | 16h24

O Fundo Monetário Internacional estima que a economia brasileira está enfrentando ''uma série de choques'' que deverão provocar a sua desaceleração a partir do ano que vem. De acordo com Charles Collyns, diretor-adjunto do Departamento de Pesquisas do FMI, estes diversos choques são ''as condições financeiras internacionais, que estão piorando, a crescente escassez de liquidez - que explica as pressões sobre a moeda brasileira - e o fato de o Brasil ser um grande exportador de commodities, cujos preços estão caindo''.Em seu relatório Panorama Econômico Mundial, divulgado nesta quarta-feira, o fundo estimou que o Brasil crescerá 3,5% em 2009, taxa inferior à projeção deste ano, de 5,2%.O fundo estima ainda que a taxa de inflação para este ano ficará em 5,7%, contra 3,6%, em 2007, e deverá ser de 5,1% no ano que vem. CâmbioSegundo Collyns, ''haverá menos crescimento, e a queda da taxa de câmbio por si só vai ser um componente a mais para a pressão inflacionária''. Mas o economista diz que ''como o Brasil é uma grande economia, o efeito dominante deverá ser o da desaceleração do crescimento, nem tanto o da taxa de câmbio''.E isso, avalia Collyns, deveria ser usado como uma oportunidade para que o Banco Central possa voltar suas atenções em outra direção, ''a de começar a cortar taxas de juros se a perspectiva de crescimento continuar a deteriorar''. ''Como o Brasil foi muito prudente em suas políticas macroeconômicas nos últimos anos, ele poderá se beneficiar das bases que criou'', comentou. O diretor-adjunto afirma que o Brasil tem recentemente respondido com rapidez a problemas específicos, como a falta de liquidez nos mercados e feito um uso apropriado de suas vastas reservas.Mas acrescenta que ''poderá não haver espaço para ajustar a política monetária se os riscos ao crescimento prosseguirem''.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.