Chinaglia quer que Câmara ouça embaixador espanhol

O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), defendeu hoje a convocação do embaixador da Espanha no Brasil, Ricardo Peidró, para prestar esclarecimento aos parlamentares sobre as constantes deportações de brasileiros do país europeu. "Eu tenho a opinião de que a Câmara dos Deputados tem de convocar o embaixador espanhol", disse o deputado. "A tratativa que ele (Peidró) faz com o chanceler Celso Amorim nós não sabemos, mas a sociedade deve saber, na medida em que ele for à Câmara explicar", completou Chinaglia, Chinaglia admitiu, no entanto, que deve tratar o assunto com cautela, para não prejudicar as negociações diplomáticas entre os dois países e ratificou que irá consultar o ministro das Relações Exteriores antes de colocar o assunto em pauta na Câmara. "Vou procurá-lo (Amorim) na segunda-feira para saber o quanto se resolveu e qual a opinião. Evidentemente, eu tenho de ter a cautela de não atrapalhar algum recuo por parte dos espanhóis que já esteja ocorrendo", avaliou o deputado, que participa, em Ribeirão Preto (SP), de um evento de apoio à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 549/06 que equipara os salários de delegados de polícia aos dos membros do Ministério Público.O presidente da Câmara considerou ainda "uma hipótese" de que o presidente Lula tenha participado do processo de deportação de espanhóis na quinta-feira, dia 6, em Salvador (BA), como represália ao tratamento dado aos brasileiros. Mas Chinaglia disse que a ação tomada "faz qualquer um de nós imaginar que o governo brasileiro tenha tido uma reação necessária a esse tratamento que o governo espanhol tem dado aos brasileiros", disse. "Se é coincidência ou não a questão dos espanhóis, não me cabe analisar, mas acho que devemos discutir o essencial. Nenhum país pode dar o tratamento que a Espanha tem dado aos brasileiros".Chinaglia confirmou ainda que o Orçamento da União de 2008 deverá ser votado em uma sessão do Congresso Nacional na próxima terça-feira, dia 11, à noite, ou, no mais tardar, na quarta-feira, 12. De acordo com ele, se a Comissão Mista do Orçamento não aprovar o parecer do deputado José Pimentel (PT-CE), o relatório será votado em plenário, durante a sessão conjunta do Senado e da Câmara. "Há uma decisão tanto minha, quanto do presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN) de votar o Orçamento, se possível terça-feira à noite", disse Chinaglia. Ele afirmou ainda que irá conversar com Alves neste final de semana para definir os detalhes da sessão conjunta para a votação do Orçamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.