Chinaglia quer criar comissões específicas na Câmara

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), anunciou nesta terça-feira, em reunião com os líderes da Casa, que pretende criar comissões específicas para discutir temas de interesse nacional, como a reforma política e a reforma tributária. Ele disse que nesse sentido pretende também criar uma comissão específica para discutir o tema do aquecimento global. O objetivo de colocar o parlamento de forma permanente nesse debate, segundo Chinaglia, é propor políticas voltadas para esse problema.De acordo com o líder do PR na Câmara, deputado Luciano Castro (RR), durante a reunião realizada na manhã desta terça-feira, Chinaglia estabeleceu regras rígidas para o funcionamento da Câmara. Entre elas, está a que determina que só não serão descontadas as faltas que tiverem comprovação de doença ou por motivo de viagem oficial.Também ficou definido que a Casa terá sessões deliberativas às terças, quartas e quintas-feiras e que, na próxima semana, haverá sessões todos os dias para compensar o feriado de carnaval. Na quarta-feira, segundo Castro, devem ser votados o projeto que prevê a criação da Super-Receita - unificação da Receita Federal com a Receita Previdenciária - e a extinção de cargos de natureza especial.Programa de Aceleração do CrescimentoAo sair da reunião de líderes com Chinaglia, Castro afirmou também que os partidos da base aliada devem pleitear as relatorias dos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). "São projetos do governo e é natural que os relatores sejam identificados com o programa", disse Castro.De acordo com ele, o programa foi mencionado como uma das prioridades na reunião, mas não foi acertada nenhuma questão de agenda. Ele informou que há uma discussão sobre a criação de uma comissão única para debater as propostas do PAC. De acordo com o líder do PR, essa é a tendência, uma vez que a maior parte do PAC é composta por medidas provisórias (MPs), que não costumam passar por comissões, e o restante por projetos de lei complementar.Este texto foi ampliado às 15h42

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.