Chinaglia nega pedido para tirar mandato de deputados infiéis

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), negou recursos do PSDB, PPS e DEM (ex-PFL), que solicitavam a declaração de perda de mandato dos deputados que largaram as legendas que os elegeram para se filiar em partidos da base do governo. Chinaglia argumentou que o presidente da Câmara não tem poder para declarar a perda de mandato de ninguém.Chinaglia lembrou que a Constituição prevê a perda de mandato depois de processo por quebra de decoro parlamentar com aprovação da maioria dos parlamentares (257 votos). E que, no caso da renúncia, ela é um ato unilateral e só é validada depois de lida em plenário. E o regimento interno da Câmara não prevê a perda do mandato por mudança de filiação partidária.Os três partidos tinham pedido a convocação dos suplentes dos titulares que mudaram de legenda por conta de decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomada no mês passado. De acordo com o TSE, a legenda é a dona da vaga, e não mais o eleito. Desde que a nova Câmara tomou posse, em primeiro de fevereiro, o PPS e o DEM perderam oito parlamentares, cada um, e o PSDB sete. Eles acusaram o governo de ter cooptado seus deputados em troca de cargos e favores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.