Chinaglia nega intenção de votar anistia para José Dirceu

Durante o debate entre os três candidatos à presidência da Câmara transmitido pela TV Câmara, o líder do governo Arlindo Chinaglia (PT) negou enfaticamente a versão corrente no mundo político de que, se eleito, favoreceria a aprovação de proposta de anistia para deputados já cassados, como José Dirceu, do PT, acusado de envolvimento no escândalo do mensalão. "Desafio vossa excelência e qualquer um a provar que eu esteja orientando a minha candidatura para promover anistia de Dirceu", declarou Chinaglia, declarando-se "vítima daquilo que foi noticiado". O petista disse que não teria o direito de impor sua opinião pessoal e acrescentou: "Vossa excelência é um democrata e respeitará qualquer projeto de origem popular. Por favor, não mencione mais isso." O presidente da Casa e candidato à reeleição, Aldo Rebelo (PCdoB), não disse expressamente se vai reabrir processos contra parlamentares que renunciaram na legislatura anterior para fugir da cassação e foram eleitos. Ele explicou que o regimento permite que um partido peça a reabertura de processo no Conselho de Ética, sem passar pelo presidente da Casa, e que a outra opção é um deputado, individualmente, representar contra outro e o tema ser levado à corregedoria da Casa para, após seu parecer, a mesa decidir pela reabertura ou não de processo. "É possível combinar respeito às urnas com respeito ao regimento interno", disse. Dirceu teve seu mandato cassado em 2005, mesmo sem provas documentais contra ele, pela suspeita de ter sido o mentor do esquema de caixa 2 do PT e do mensalão - pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo. O ex-ministro tem seus direitos políticos suspensos até 2015, quando estará com 70 anos. A eleição na Câmara será no dia 1° de fevereiro, dia da posse dos deputados eleitos em outubro de 2006. Para que o deputado chegue à presidência, são necessários 257 votos, o que equivale à metade mais um dos 513 deputados. Se nenhum dos candidatos atingir esse número, haverá segundo turno, com os dois mais votados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.